A segunda temporada de Outlander continua e, neste episódio, os planos de Jamie para impedir a revolta escocesa colocam à prova a sua relação com Claire, que continua a esconder do marido a verdade sobre Jack Randall.

É óbvia a insatisfação de Claire (Caitriona Balfe) com a vida em Paris. A nossa protagonista, habituada a meter “as mãos na massa” sempre que necessário, está claramente aborrecida, sentindo-se até inútil. E os planos para impedir a revolta escocesa liderada pelo Príncipe Charles Stuart (Andrew Gower) não são distração suficiente.

Pelo menos não para Claire, que pouco mais pode fazer do que tomar chá com Louise (Claire Sermonne) na esperança de saber alguma informação. Por outro lado, Jamie (Sam Heughan) não podia andar mais ocupado: ora a ter reuniões secretas com o príncipe em bordeis, ora a gerir o negócio de vinhos do primo, ora a confraternizar com o ministro das finanças francês, Monsieur Duverney (Marc Duret).

Outlander

O humor de Claire não melhora nada quando, ao tomar chá com Louise e a sua protegida Mary Hawkins (Rosie Day), se lembra subitamente de onde reconhece o nome da jovem Mary. Em flashback (que na verdade se passa no futuro, apesar de ser o passado de Claire – não, não é tão complicado como soa), vemos Claire em 1945 a analisar a árvore genealógica do marido, Frank (Tobias Menzies).

Descobrimos assim que Mary é um antepassado de Frank e casar-se-á com Jack Randall (também Tobias Menzies) – o que significa que, para Frank poder vir a existir, Jack tem que permanecer vivo até se casar com Mary.

Claire fica visivelmente abalada com a descoberta. Ao chegar a casa, e após uma breve discussão quando apanha Murtagh (Duncan Lacroix) na cama com uma das empregadas, Claire confidencia-lhe que descobriu que Jack Randall ainda está vivo. Murtagh concorda que o melhor é manter a verdade longe de Jamie.

Entretanto, Claire vai ter com Master Raymond (Dominique Pinon), onde se encontra com o sinistro Comte St. Germain (Stanley Weber). Mais tarde, Raymond diz a Claire que, com as suas habilidades, poderia ser de grande ajuda no hospital solidário mais próximo. Claire não demora a seguir o conselho.

Outlander

Enquanto isto, Jamie joga xadrez com Duverney e aproveita para convencer o ministro a dizer ao Príncipe Charles que França não tem interesse em participar na sua guerra. Os três homens encontram-se no bordel do costume, onde Charles afirma ter conseguido muito dinheiro de nobres ingleses católicos – para grande surpresa de JamieCharles propõe uma aliança com França se os franceses o ajudarem e Duverney concorda em falar com o rei sobre o assunto.

Preocupado, Jamie volta a casa. Claire chega mais tarde e bastante mais bem disposta – esteve no hospital todo o dia, onde, graças aos seus conhecimentos de medicina, já atraiu a amizade da Madre Superior Hildegarde (Frances de la Tour). No entanto, Jamie não se mostra nada feliz com a nova ocupação da mulher, preocupado com a possibilidade de Claire, que ainda por cima está grávida, apanhar alguma doença no hospital.

Os dois acabam por se envolver numa discussão. Claire argumenta que precisa do tempo no hospital para se sentir útil e realizada. Jamie afirma que é ele que está a ter o trabalho todo, mentindo e traindo a confiança dos que o rodeiam, para acabar com uma rebelião com a qual até concorda. Jamie acaba por sair de casa ainda com os ânimos exaltados, já que o casal não consegue chegar a um consenso.

Outlander

Jamie volta ao bordel e toma nota de um rapaz carteirista que tem por hábito roubar os clientes do local. Com um plano em mente, vai atrás do rapaz e oferece-lhe um emprego. O plano é simples – roubar as cartas que Charles recebe para ficar a saber tudo o que o príncipe não lhe conta – mas Jamie leva várias semanas até encontrar uma carta que talvez lhe diga alguma coisa de importante.

A carta em questão está escrita num código musical e Jamie tem de pedir ajuda a Claire e à Madre Superior do hospital, que revela talento para a música. A Madre Superior consegue descodificar a mensagem e Jamie sabe então os verdadeiros planos do Príncipe.

Vejamos: primeiro, Charles de facto tem apoiantes ingleses, mas estes não lhe ofereceram tanto dinheiro como ele fez parecer. Depois, a carta vem assinada “S”, ou como Claire e Jamie imediatamente percebem: Sandrigham, esse velho inimigo que está a jogar tanto do lado inglês como do lado escocês.

Jamie decide que irá falar com Sandrigham para que este pare de emprestar dinheiro a Charles e apressa-se a celebrar o avanço nos seus planos. Claire, no entanto, sabe que se Jamie falar con o Duque irá descobrir que Jack Randall ainda está vivo. Murtagh pede-lhe que conte já a verdade a Jamie, mas Claire não consegue estragar o momento de felicidade do marido.

Outlander

Useful Occupations and Deceptions consegue balançar a narrativa dramática de Outlander com pequenas cenas mais humorísticas muito melhor e mais naturalmente do que o episódio anterior. Também beneficia de um plot mais linear, em que os protagonistas têm um objectivo claro. Como sempre, a relação de Jamie e Claire mantém-se o coração da própria série e esperam-se tempos ainda mais atribulados para os dois.

Claire continua com um difícil dilema pela frente. Parece claro que, mais cedo ou mais, Jamie vai descobrir que Jack Randall ainda está vivo e, se Murtagh tiver razão (que provavelmente tem), Jamie vai querer vingar-se. Mas se Jamie matar Jack agora, Frank (o marido que espera Claire no futuro), poderá nem vir a existir. Isto das viagens no tempo vai continuar a dar problemas.

NOTA: 8/10