ee4323ce38a59ea35bd13ddd47b4c837

IndieLisboa’16: o corvo volta à cidade

A capital portuguesa recebe novamente aquele que é já dos seus mais icónicos festivais de cinema. Centrado na produção nacional e internacional independente, este é um festival como nenhum outro: sempre original, inovador e que se demarca por arriscar em cada edição.

Nesta 11.ª edição as novidades são muitas. Desde uma eficaz e útil app do IndieLisboa à escolha do herói indie responsável pelos melhores filmes de ficção científica dos anos 90, esta promete dar muito que falar durante os 11 dias que passará pelas salas de cinema mais mediáticas da cidade de Lisboa. Ontem, dia 20 de abril, foi o abrir da cortina e o Espalha-Factos não deixou de faltar ao primeiro grande visionamento da secção Silvestre no Grande Auditório da Culturgest.

Desde Allá – 7/10

desde_alla_still

Um dos filmes mais badalados da programação do IndieLisboa e o perfeito “cabeça de cartaz” para o arranque da secção Silvestre, o lugar para filmes que desafiam as normas e os limites do cinema. Desde Allá é a primeira longa metragem do venezuelano Lorenzo Vigas, que ganhou depois o Leão de Ouro no Festival de Veneza de 2015.

Esta é uma história que tem Caracas como pano de fundo. Uma difícil relação entre um homem de meia idade abastado e um jovem delinquente das ruas da capital venezuelana, que nos dá um retrato bastante realista de uma grande panóplia de graves dos problemas sociais que proliferam pelas ruas da cidade, desde pobreza a preconceito, passando pela homofobia e a violência.

Talvez o maior feito deste filme, já que a construção da narrativa e o desenrolar da ação não surpreende nem é, por assim dizer, algo inovador, é mesmo o de conseguir ligar-se com a realidade da cidade, uma das mais perigosas e pobres capitais mundiais. O filme de Vigas é de um extra-realismo que nos transporta automaticamente para as ruas caóticas de Caracas: é este desligar do estúdio e cortar com tudo o que seja plástico que é admirável nesta película. Por esta mesma razão o ritmo algo lento do desenrolar da ação é completamente justificável, porque neste filme não vemos uma versão hollywood de uma qualquer vida, onde haverão festas de copo vermelho, muito sexo e uns tantos tiroteios sem que a polícia local note.

Vemos também florescer um caricato amor que nos revela os graves problemas de homofobia que a cidade e, por extensão, toda a Venezuela ainda tem para combater. Uma realidade quase assustadora que deixa o espectador sempre mais apreensivo nas cenas de maior violência ou de potencial para isso. É um filme que requer coragem por parte de Vigas e o mesmo entrega-a da melhor forma.

Desde Allá é, acima de tudo, um ensaio sobre esta cidade, sobre os preconceitos neste país e o modo como o amor pode florescer mesmo nas condições mais adversas. É um filme que não é memorável mas demarca-se pela coragem da realização e a beleza das imagens. Um filme também ele carregado pelas performances de Alfredo CastroLuís Silva. Não surpreende mas é um excelente arranque de festival e uma promessa para a grande programação que se irá estender até ao primeiro de maio.

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
HIENA
Entrevista. Humor Hiena: o projeto da boa disposição