Joana Pais de Brito
Fotografia: Inês Lourenço da Graça

Joana Pais de Brito: “Eu não sou comediante, sou atriz.”

É considerada por muitos a revelação do programa Donos Disto Tudo, na RTP1. “Também era a única que ninguém conhecia”, responde-nos Joana Pais de Brito, a atriz que não quer ser confundida com comediante. Não é verdade. Conhecemo-la antes, no Canal Q, junto de outros jovens atores no Camada de Nervos e na Estocada Final. Mas, conta, são as personagens do DDT que lhe trazem cumprimentos na rua.

Num café no LX Factory, local escolhido pela própria para a entrevista, o Espalha-Factos conversou com a atriz sobre o trabalho na estação pública, as suas personagens e os primeiros passos na representação.

Há uma “bomba latina” dentro de Joana Pais de Brito

Joana, discreta e calma, sublinha umas folhas quando a encontramos, ao final de um dia de trabalho. De sorriso tímido, ainda enverga uma etiqueta amarela com o seu nome. Só a meio da conversa se apercebe disso. Esteve nas gravações de um episódio especial do Preço Certo, antes da entrevista. A RTP tem sido parte da vida da atriz no último ano.

Integra o elenco de Donos Disto Tudo desde o início, em outubro do ano passado. Num programa repleto de alguns dos mais importantes nomes da comédia em Portugal (Ana Bola, Joaquim Monchique, Eduardo Madeira e Manuel Marques) e realização de Fernando Ávila (falecido recentemente), a atriz é a mais nova do grupo, mas nem por isso passa despercebida.

Maria Rueff elogiou o seu trabalho no programa, nomeadamente as suas imitações de algumas personalidades portuguesas, neste que é dos poucos programas de humor em Portugal. “Faz falta a crítica. É muito bom o país ter um canal público onde haja humor, independentemente de eu estar a trabalhar com eles ou não“, diz Joana.

No DDT há espaço para a crítica social, para a criação de novas personagens e imitações de outras. Dentro dela cabem personagens bem diferentes… e uma “bomba latina” de seu nome Ana Malhoa, um dos grandes sucessos do programa e alguém que Joana admira na vida real. Foi a própria quem fez a proposta aos guionistas para incluir a personagem no guião.

Mas esta imitação não é coisa de agora: “A ‘Ana Malhoa’ é muito antiga, muito anterior a este programa. Eu já tinha vindo a trabalhar nesta personagem há anos mas não tinha nenhum objetivo”, conta. A Ana Malhoa de Joana Pais de Brito é o resultado de um trabalho intenso que, afirma, “não é natural“. “Há trabalhos muito grandes. Qualquer colega meu a quem perguntes vai ter a mesma resposta: é muito trabalho de casa“.

E quem diz Ana Malhoa, diz também a Cristina Ferreira, a Joana Latino ou a Catarina Martins de Joana. Com algumas das pessoas que imita “há uma ligação“. Joana não sabe ao certo de que natureza: “Pode haver um clique inicial, ou em relação à voz, à postura, o que a pessoa emana, não sei“. Não é seu objetivo que dali saia uma fotocópia pois neste processo de trabalho complexo fazem-se escolhas. “Não há só uma face para cada pessoa, por isso podemos ter imitações tão diferentes“.

A sua Catarina Martins, por exemplo, foi uma proposta da equipa de argumentistas liderada por Maria João Cruz e está longe de ser convencional. “Eu quis criar uma personagem quase de BD e fazer uma mistura entre o Gato das Botas do Shrek com o boneco Chuck. Mas foi a minha escolha”.Joana Pais de BritoE o objetivo é esse: desconstruir estereótipos, hábitos ou pessoas, mesmo que estejam num “lugar de poder”. “Eu acho que as imitações das pessoas que têm um estatuto maior na sociedade, como a Ana Malhoa e a Cristina Ferreira, são as que têm mais impacto, porque a pessoa está num lugar de poder e nós estamos a desconstruir. É quase como se fosse uma coisa proibida. Eu acho que essas personagens têm mais sucesso por causa disso, mas é a minha interpretação“, explica.

E o que dizem os imitados das suas interpretações? “Eu não penso nisso. Não estou a desvalorizar isso mas não é uma coisa pessoal, não é um recado. É uma personagem criada a partir daquela pessoa, uma espécie de uma máscara daquela pessoa“, responde.

A possibilidade de receber comentários menos positivos de alguns fãs das personalidades que desconstrói com as suas imitações não a demove. “Não houve comentários negativos mas se houver faz parte porque são pessoas muito queridas do público e por isso têm legiões de fãs. A intenção nunca é ferir nem gozar“.

Joana Pais de Brito

A terapeuta ocupacional queria ser atriz

Mas nem sempre foi esta a vida da atriz. Joana tinha “outra ocupação, outra vida“. Era terapeuta ocupacional, mas queria ser atriz. “Foi um clique”, conta. Já tinha feito teatro amador, mas a tempo inteiro trabalhava num Centro de Reabilitação. Decidiu retomar aulas de representação: teve aulas na Act – Escola de Atores e aprendeu com vários profissionais, entre eles John Frey (com quem aprofundou a técnica de Meisner, uma técnica de interpretação).

Seguiu-se o curso de representação em Nova Iorque, a formação como atriz e o teatro profissional. Em 2013, teve a primeira experiência em televisão na Academia RTP, com o telefilme Almas Penadas, da autoria de Rita Camarneiro. Depois disso, fez um casting. “Não sabia o que era mas fiquei“. E ficou no Canal Q, durante três anos. “Éramos todos jovens atores, tirando o João Cabral, já experiente. Estávamos todos mais ou menos a começar e conseguimos fazer um trabalho consistente durante dois anos“.

Joana Pais de Brito

Regressou à RTP com o remake de Agora Escolha e um lugar de destaque nas noites da estação pública. “Foi muito bom o desafio porque era um espaço muito fechado, era tudo ali, com várias pessoas à volta de uma mesa, o que não é fácil“. Além disso, Joana pôde trabalhar com atores de renome como Maria Vieira ou Victor Espadinha.

Mas a comédia entrou na vida de Joana por acaso. “Não foi planeado. Aconteceu que o meu primeiro trabalho televisivo, e o segundo também, foram na área da comédia. A televisão o que faz é, de repente, pôr uma lupa em cima da pessoa, o que a pessoa está a fazer é o que fica. E foi o que aconteceu.” Joana não gosta de um género específico e tem outros projetos em cima da mesa, nomeadamente no teatro. Rapidamente retifica que não se considera comediante. “Sou atriz“, remata.

Fotografias da entrevista: Inês Lourenço da Graça.

Ler Mais: Joana Pais de Brito no elenco de ‘Querida, Comprei uma Orquestra!’

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
primeiro jornal bento rodrigues informação sic
Bento Rodrigues abre ‘Primeiro Jornal’ com discurso emotivo