Gelo: muita parra, pouca uva

Gelo: muita parra, pouca uva

Gelo é um filme de ficção científica coproduzido por Portugal e Espanha. Ora, só de se dizer isto, a imagem com que ficamos na cabeça não é a melhor. Apesar dos países ibéricos serem conhecidos pela boa qualidade do seu cinema e de, nalgumas ocasiões, terem unido esforços em torno de bons filmes, só o facto de se terem agora arriscado pelo universo da ficção científica, género dominado pelo cinema americano e para o qual não aparentamos ter fundos ou sequer experiência suficiente, parece antever uma longa-metragem de baixa qualidade.

Contudo, a obra de Luís e Gonçalo Galvão Teles, pai e filho, pode orgulhar-se de ter feito de tudo para se destacar no cinema ibérico. A dupla imaginou uma história minimamente original, com uma narrativa não linear e até desafiante para o espectador, no que toca a adivinhar como é que as duas narrativas se vão ligar uma à outra. Ora veja-se: conhecemos, em primeiro lugar, Joana, uma estudante espanhola que vem para Lisboa estudar cinema e que rapidamente se apaixona por Miguel, um colega mais velho obcecado por gelo. Paralelamente, vemos uma jovem rapariga chamada Catarina, que vive enclausurada num palácio isolado, sob tutela de Samuel, a crescer e a tentar fugir desta sua “prisão”.

A relação que as duas raparigas mantêm é, infelizmente, dada a conhecer demasiado cedo no filme, de forma nada discreta pelos argumentistas. Não que não fosse já bastante evidente o que são as duas uma para a outra, mas a “confirmação oficial” surge tão precocemente que mata quaisquer dúvidas que tivéssemos e que nos poderiam deixar ainda com incertezas face à narrativa. E é aqui que encontramos um dos grandes defeitos de Gelo: não nos é dado assim tanto tempo para interiorizarmos a história de modo a que sejamos, mais tarde no filme, surpreendidos por eventuais plot twists e novas revelações. O argumento, que quase pretensiosamente cita Billy Wilder e cai, a dado momento, no auto-elogio, faz referência à forma como os filmes podem deixar o público ter a sua própria versão da narrativa e surpreende-los até ao último segundo de fita, mas à medida que Gelo se desenrola acontece exatamente o contrário: o foreshadowing utilizado está longe de ser subtil e acaba por, em vez de dar meras pistas, contar-nos tudo o que precisamos de saber.

gelo2

Sem mais nem menos, Gelo perde o seu mistério e efeito surpresa. O poder de aliciação do filme fica então entregue às personagens e à própria ficção científica em si, que, como é óbvio, nos aguça a curiosidade (com altas ou baixas expetativas, ver cenários futuristas assinados por Portugal e Espanha deverá ser do interesse do público ibérico). E o que encontramos nesses aspetos? Mais desilusões.

Joana e Miguel, com quem temos de passar a grande maioria do tempo, são um casal típico de telenovela portuguesa com linhas de diálogo do mais cliché que há. Os adolescentes que os rodeiam são uma versão muitíssimo limpa e soft desta faixa etária nacional, comportando-se até mais como adultos do que como jovens. Catarina e Samuel acabam por ser personagens muito mais genuínas e credíveis, mas, infelizmente, são relegados para um segundo plano em detrimento da história de Joana. O elenco (com a espanhola Ivana Baqueiro, a Ofélia de Labirinto de Fauno, e o português Afonso Pimental à cabeça) escolhido para encarnar esta meia dúzia de personagens demonstrou até boas qualidades de interpretação, mas sente-se completamente desaproveitando perante os fracos protagonistas de Gelo.

É nos cenários futuristas, que se adivinhavam à partida o ponto naturalmente mais fraco do filme, onde acabamos por ter as confirmações de que, de facto, ainda estamos a anos-luz das produções dos grandes estúdios do género da ficção científica. Os efeitos especiais menos convincentes que aqueles usados em videojogos cortam a criatividade dos Galvão Teles, que à primeira vista até dão a impressão de ter boas ideias visuais. Contudo, não dá para levar a sério o embaraçoso CGI e green screen presente em algumas cenas e perde-se aquilo que poderia, com os meios técnicos adequados, ser um dos pontos mais fortes do filme.

gelo3

Ficamos com o sentimento final de que Gelo tinha condições para se vir a tornar num título único que se afirmasse como um marco da produção ibérica. Luís e Gonçalo Galvão Teles apresentam excelentes ideias e é de saudar a sua iniciativa corajosa de se aventurarem com este projeto no seu país. Não obstante, tal como não podemos negar que os dois estão cheios de boas intenções e de que muita da sua visão fica logo condicionada por um baixo orçamento e falta de tradição no género, também somos obrigados a admitir que muitos erros cometidos são exclusivamente da sua responsabilidade (nomeadamente o argumento). E é pena que assim seja…

4/10

Ficha Técnica
Título: Gelo
Realizador: Luís e Gonçalo Galvão Teles
Argumento: Luís e Gonçalo Galvão Teles e Luís Diogo
Elenco: Ivana Banquero, Afonso Pimentel, Albano Jerónimo, Ivo Canelas, Ruth Gabriel
Género: Ficção Científica, Fantasia, Drama
Duração: 105 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
‘Euphoria’. Jacob Elordi considera Nate Jacobs “um terrorista emocional”