A noite de ouro do Cinema foi na madrugada de domingo para segunda e não deixou ninguém indiferente. Desde críticas a polémicas recentes, visibilidade para problemas sociais e atuais, a performances de todos os graus de qualidade, ninguém duvida que foi uma noite memorável. Da nossa parte, deixamo-vos com os melhores e piores momentos da cerimónia.

Os Melhores

Chris Rock aborda o “elefante na sala” – graciosa e acidamente

Chris Rock apresenta os Oscars (Foto por Chris Pizzello/Invision/AP)

Chris Rock apresenta os Oscars. Foto: Chris Pizzello/Invision/AP

“Os Oscars, também conhecidos como os White People’s Choice Awards”

Como era de esperar, Chris Rock teve algo a dizer sobre a mais recente polémica do #OscarSoWhite e o consequente debate acerca do racismo em Hollywood: num tom irónico, ácido e de uma honestidade e franqueza exemplares, o apresentador apontou que, ainda que os problemas raciais no mundo do espetáculo não sejam comparáveis aos problemas que pessoas negras enfrentaram e ainda enfrentam diariamente, é algo que deve ser sublinhado.

No entanto, criticou Jada Smith e a sua decisão de boicotar os Oscars ao não aparecer – embora não pelas razões que toda a gente esperava:

“A Jada boicotar os Oscars é como eu boicotar as cuecas da Rihanna: não fui convidado!”

Isto, aliado aos sketches de comédia apresentados ao longo da gala – um deles que apresenta os filmes nomeados, mas com a participação de pessoas negras, ou outro, um conjunto de entrevistas a pessoas negras sobre o que sentem sobre a ausência de atores de cor nos nomeados aos Oscars – ajuda a deixar clara a posição de Rock sobre a polémica.

Mas todas estas participações, críticas e callouts tiveram apenas um objetivo, que se resume na derradeira opinião do apresentador sobre o assunto:

“Nós só queremos ter as mesmas oportunidades. É tudo o que queremos!”

Os pequenos carismáticos dos Oscars

Oscars

Jacob Tremblay e Abraham Attah apresentam o Prémio para Melhor Curta-Metragem em Live Action. Foto por Kevin Winter/Getty Images

Desde a Passadeira Vermelha que já se falava do surpreendente carisma e à-vontade que demonstrou Jacob Tremblay, ator de O Quarto (2015). Passeou-se por entre os famosos, respondeu com desembaraço às perguntas de repórteres e apresentadores, e apresentou, por fim, o Prémio para Melhor Curta-Metragem em Live Action com Abraham Attah, de Beasts of no Nation (2015). Ambos precisaram de alguma ajuda a chegar ao microfone, que lhes foi gentilmente fornecida com degraus, mas fora isso apresentaram o prémio com desenvoltura – e conquistaram os corações de todos os envolvidos.

E Lady Gaga continua arrebatadora

Lady Gaga durante a sua performance 'Till It Happens to You' (Foto: Divulgação)

Lady Gaga durante a sua performance ‘Till It Happens to You’. Foto: Divulgação

Nunca foi segredo que Lady Gaga é uma artista de uma intensidade inigualável, que leva a fundo todas as suas performances. Mas a sua atuação em Till It Happens to You, canção original do documentário The Hunting Ground, conseguiu trazer o público às lágrimas e a sua mensagem a um nível de impacto impressionante. Ainda que a sua voz, à semelhança dos outros músicos da noite, não tenha sido o seu ponto forte, a veemência e o poder que demonstrou ao cantar e o toque arrebatador da participação dos sobreviventes de violência sexual no número musical deixou uma marca muito profunda.

Não levou o Prémio de Melhor Canção Original, mas levou a certeza de ter sido a melhor atuação da noite.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=g1g13dAywds]

Os Piores

The Weeknd em cima da cerca

Atuação de The Weeknd (Foto por Kevin Winter/Getty Images)

Atuação de The Weeknd (Foto por Kevin Winter/Getty Images)

The Weeknd tenta dar um twist a uma música já tão ouvida, recorrendo ao arranjo de bailarinas e estética clássica escolhido para a apresentação, mas acaba por falhar. A voz do cantor não esteve nos seus melhores dias e as bailarinas e a sua coreografia lenta e estática pouco impacto trouxeram e pouco conseguiram acrescentar àquilo que já conhecíamos. O cenário e guarda-roupa eram esteticamente interessantes, mas francamente desprovidos de conteúdo. Certamente esteve melhor que Sam Smith e o seu desleixado minimalismo, mas não consegue tirar a Cinquenta Sombras de Grey o sabor amargo na boca que esta semana lhe tem deixado.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=RqEGAiwCZRE]

 

Os Mínimos – Vira o disco e toca o mesmo

Oscars

Mínimos apresentam o Prémio de Melhor Curta-Metragem de Animação (Foto por Melty)

Durante meses fomos bombardeados em tudo quanto eram meios de comunicação e produtos de toda a espécie dos tão-falados Mínimos. E chegámos a um tal ponto de exaustão em que bendito foi o dia em que os malfadados bonecos amarelos mostraram os primeiros sinais de desaparecimento da esfera mediática. Mas agora regressaram, para marcar presença como apresentadores do Prémio de Melhor Curta-Metragem de Animação. O que os Mínimos têm a ver com curtas-metragens, escapou-nos.