Peso Morto, Peixe:Avião

“Peso Morto”, a obra-prima dos peixe:avião

Peso Morto, o quarto álbum de estúdio dos peixe:avião, foi lançado este mês. Numa composição mais eletrónica e post-rock, este álbum está pejado de uma aura densa.

Ao avançarmos nos anos, percebemos que o caminho dos peixe:avião tem sofrido certas mutações. Na verdade, ao ouvirmos Peso Morto quase nos esquecemos de que esta banda lançou um Madrugada a pender para o pop rock. A cada álbum lançado vemos mais densidade melódica e uma obscuridade musical que rodeia os sentidos. O pop rock do segundo álbum transformou-se num rock mais sujo de um álbum homónimo que, por sua vez, se transladou para um post rock industrial.

Talvez a passagem de alguns membros da banda pelos ares de Máquina del Amor tenha contribuído para este desfecho. Um desfecho, atrevemo-nos a dizer, feliz.

Vê aqui a crítica do Espalha-Factos a Máquina del Amor

O disco começa de forma soberba com Engrenagem, numa mescla de sintetizadores soluçantes que durante os sete minutos da música – que, à primeira vista, parecem infinitos mas passam tão bem – nos apresentam essa tal abordagem mais alemã de tratar a parte eletrónica.

Quebra é um dos melhores singles dos últimos anos. Não só é uma das melhores músicas deste ano, como se torna a única – e perfeita – composição para apresentar o álbum. A densidade do som inicial que se propaga ao longo da música, aliada à sujidade dos pratos da bateria e à simplicidade – falsa – da melodia vocal criam esta atmosfera onírica a preto e branco do videoclip.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=3eqrGch6qm8]

Todo o álbum está imerso numa espécie de nevoeiro, um fumo denso que apalpa os sentidos e que preenche todas as lacunas sonoras. Não há espaço para mais sons, torna-se difícil respirar entre as batidas e sente-se um peso no peito. A melodia é deixada em segundo plano, criando-se uma cama confortável para os ruídos que queiram fazer ouvir-se. Isso, que à partida poderia tornar-se uma catástrofe, torna-se belo às mãos dos peixe:avião.

Há uma contemplação da relação baixo-bateria ou, em alguns casos, sintetizador-bateria. A secção rítmica surge de tal forma imponente e sublevada que leva as canções ao patamar seguinte de consistência. Exemplo disso é Miragem, segundo single do disco. O bombo e a linha de baixo aparecem tão perfeitamente conjugados que se julga ser impossível haver divórcio entre ambos.
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=rBAbK7OSXrk]

Com quase dez anos de experiência, os peixe:avião encontram em Peso Morto a sua obra-prima. Um álbum a ter em conta e a ser ouvido – e re-ouvido – durante este ano.

Peso Morto pode ser ouvido aqui:

Nota final: 8/10

Mais Artigos
Sigourney Weaver aguentou seis minutos debaixo de água durante as gravações de ‘Avatar 2’