O mito do sonho americano apresenta a América como terra de oportunidades e, para os sonhadores cinéfilos, o seu epicentro encontra-se em Hollywood.  A indústria cinematográfica continua a valorizar os seus mais veteranos ícones, revelando uma espécie de tendência revivalista comprovada pela mais frequente recorrência ao remake. E se esta atitude cíclica é já uma realidade, o cinema norte-americano completa o seu ciclo com a procura de novos talentos e ícones do hoje e do amanhã.

O 5 desta semana pretende explorar essa tendência de forma pragmática, apresentando alguns casos de sucesso de alguns dos mais promissores jovens atores do último ano. Seja pela sua participação em projectos de grande dimensão ou pelo seu destaque na crítica e nos circuitos de prémios de cinema, estes intépretes apaixonaram a generalidade do público com as suas novas personagens e com a originalidade que lhes ofereceram.

Oscaar Isaac

Apesar de 2015 ter sido um ano especialmente frutífero para o ator de origem latina, Oscaar Isaac apresenta já na sua carreira um historial invejável de projetos filmados por realizadores prestigiados. De facto, o ator teve já a felicidade de trabalhar com Ridley Scott, Joel e Ethan Coen, Nicolas Winding Refn e, recentemente, de ter seguido o caminho das estrelas ao comando de J.J Abrams, no mais recente e incrivelmente bem sucedido episódio da saga Star Wars. Vestindo a pele do herói rebelde Poe Dameron, o ator coloca-se na rota dos que serão imortalizados por uma vasta e fiel legião de fãs da saga. Mas se acarretar com a responsabilidade de um grande blockbuster é uma proeza notável, mais extraordinário foi observar a sua imensa maturidade em papeis de grande complexidade em Ex-Machina e Um Ano Muito Violento, ambos estreados no passado ano. Os talentos de Isaac estendem-se também no campo da música, que o ator já mostrou dominar no filme musical dos irmãos Coen A Propósito de Llewyn Davis e na comédia romântica de 2011, 10 Anos Depois.

oscar

Alicia Vikander

Tendo apenas começado a aproximar-se do cinema de Hollywood em 2012 com Anna Karenina (uma produção britânica nomeada para 4 Oscars), a sueca Alicia Vikander é a própria representação do significado da oportunidade. Em apenas 3 anos, a atriz conseguiu granjear uma nomeação ao Oscar pela sua Gerda Wegener em A Rapariga Dinamarquesa e é, possivelmente, a grande favorita ao prémio na categoria de Melhor Atriz Secundária após ter ganho o mesmo galardão na cerimónia dos prémios do SAG. O mais curioso no caso de Vikander é, no entanto, o facto da atriz poder ainda ter sido nomeada para um segundo Oscar pela sua hipnotizante performance em Ex-Machina enquanto uma incrivelmente convincente e misteriosa inteligência artificial. A cereja no topo do bolo de um ano em grande para a sueca terá sido certamente poder ainda trabalhar com o cineasta Guy Ritchie na sua mais recente adaptação fílmica da série dos anos 60 O Agente da U.N.C.L.E, intitulada da mesma forma que o programa televisivo.

vikander

Saoirse Ronan

Saoirse Ronan é a mais jovem atriz a integrar esta lista embora não seja por isso que seja desprovida de mais talento. De facto, com apenas 21 anos de idade, Ronan conta já com mais nomeações ao Oscar que qualquer outro membro desta lista. O primeiro deveu-o a Expiação, uma das suas primeiras longas em que encarnava a extraordinária e igualmente perversa Briony Tallis, uma rapariga de 13 anos que mudava o rumo da relação da sua irmã, acusando injustamente o seu amante. Este ano, Saoirse Ronan volta a repetir a proeza no muito aclamado Brooklyn, um papel que a atriz encarna fielmente e no qual se acaba por rever. A personagem Eilis partilha com ela as origens irlandesas, apesar da atriz ter nascido em Nova Iorque, cidade em que, curiosamente, a acção se vai desenrolando ao longo da película.

saoirse

Domhnall Gleeson

Se formos avaliar a relevância de Domhnall Gleeson pelo sucesso dos filmes nos quais participou, então o jovem artista é possivelmente o ator do ano.  Estatisticamente falando, os filmes que contaram com a presença de Domhnall levam no total 22 nomeações para os Oscars, duas delas para Melhor Filme com Brooklyn e The Revenant: O Renascido. Juntamente com Oscaar Isaac, o ator teve a oportunidade de integrar o elenco do muito aguardado Episódio VII de Star Wars, num papel com menos relevância do que o colega mas que poderá vir a ganhar uma maior dimensão nos próximos títulos da saga. De igual modo, Gleeson apresenta mais uma ligação a Isaac e a Vikander no já mencionado Ex-Machina, que se apresenta como a coincidência perfeita para o trio do início do despoletar de excelentes e muito ambicionados trabalhos.

domnhall

Brie Larson

O dia 28 de fevereiro de 2016 poderá muito bem ficar marcado para sempre na vida de Brie Larson, se a atriz subir ao palco dos Oscars para receber a cobiçada estatueta na categoria de Melhor Atriz. A expectativa, pelo menos, não parece ser outra tendo em conta que Larson tem estado imbatível na chamada season award, muito à semelhança do exemplo de Leonardo DiCaprio. Em O Quarto de Jack,  a atriz assina assim a performance do ano para as entidades premiadoras do cinema de Hollywood, onde intepreta uma mãe incansável que sobrevive com o filho ao aprisionamento num quarto onde vai colocando todo o universo. O curioso na atriz é que também só inicia a sua carreira a partir de 2010, conseguindo posteriormente cativar o público no cinema independente e de comédia. Comédia que a coloca também ao lado da humorista Amy Schumer no seu hit de verão Descarrilada enquanto irmã da protagonista, num dos títulos que marcou de igual modo o ano de 2015.

brie