Heroes Reborn, a série da NBC criada por Tim Kring, chegou finalmente ao seu desfecho no dia 21 de janeiro, com o episódio Project Reborn. O episódio foi tudo aquilo que os fãs esperavam e um pouco mais, deixando até uma pequena semente no último minuto que nos faz rezar desesperadamente para que haja uma segunda temporada. Relembro que em Portugal a série é exibida no canal SyFy.

Erica (Rya Khilstedt) utiliza os poderes de Tommy (Robbie Kay) para abrir o portal Gateway e transportar as pessoas selecionadas para o futuro, de modo a começar uma nova civilização – processo que ela gosta de apelidar, fazendo jus ao nome do episódio, “Project Reborn”.

A transferência é bem sucedida e, agora no futuro, Ren (Toru Uchikado) e Emily (Gatlin Green) aproveitam a oportunidade para partir em busca de Hachiro (Hiro Kanagawa) e da verdadeira Miko (Kiki Sukezane). Tudo isto enquanto Tommy continua preso no jogo Evernow.heroes reborn

De volta ao presente, Luke (Zachary Levi), Quentin (Henry Zebrowski) e Malina (Danika Yarosh) deparam-se com a primeira erupção solar. Luke diz que tem de pagar pelos pecados do seu passado e, utilizando os seus poderes, sacrifica-se e impede que a erupção cause quaisquer danos. Nunca percebi bem como funcionam os poderes de Luke, mas pelos vistos tiveram alguma utilidade. Esta é a primeira morte do episódio e certamente a mais triste, pois Luke procurou um caminho de redenção ao longo de toda a temporada e tinha vindo a criar uma dinâmica interessante com Malina.

Carlos (Ryan Guzman), o seu sobrinho e Micah (Noah Gray-Cabey) conseguem remover a bala de Farah (Nazneen Contractor) e impedir que ela morra. No jogo, Tommy depara-se com uma versão de si próprio vinda do futuro, que o ajuda a recuperar as memórias que ele perdera, nomeadamente a história da sua mãe, Claire (Hayden Panettiere), do seu pai adotivo, Hiro (Masi Oka), e do seu destino de salvar o mundo.

Phoebe (Aislinn Paul) continua a deambular pela vida e, acreditando que Erica irá regressar para a salvar, decide usar os seus poderes e ameaçar a vida de Malina. O seu irmão Quentin, acreditando que a organização Renautas tornara Phoebe num monstro e que a sobrevivência da humanidade está em primeiro lugar, decide matá-la. Já não era sem tempo! Nunca suportei Phoebe desde o primeiro dia e só gostava que ela tivesse morrido mais cedo. Número de mortes: duas.heroes reborn

Hachiro transporta Ren para o jogo Evernow, onde ele encontra a versão virtual de Miko e ambos conseguem finalmente libertar Tommy. Agora livre, o jovem vai parar à Gateway do futuro. Erica explica-lhe que Gateway apenas existe graças à destruição do mundo e, se Tommy decidir travar a erupção solar, todos os residentes do futuro irão desaparecer – incluindo a sua mãe, a sua namorada Emily, a verdadeira Miko e os milhares de inocentes.

Tommy relembra as memórias que recuperara enquanto estava no jogo e percebe que os seus poderes lhe permitem estar em dois sítios ao mesmo tempo. Assim, o Tommy do futuro para o tempo e começa a resgatar toda a gente, enquanto o do presente se junta a Malina para travar a destruição do planeta.

Mas algo corre mal: os gémeos não conseguem unir os seus poderes. Em flashback, revisitamos o momento em que Angela (Cristine Rose) e René (Jimmy Jean-Louis) realizam uma experiência com os gémeos quando eles eram crianças. Quando estes tentam unir os seus poderes, apercebem-se de que precisam de um condutor – uma pessoa – para que a junção seja bem sucedida. O outra lado da moeda? Essa pessoa morrerá.heroes reborn

Tommy decide viajar dois dias para trás e resgatar, nada mais nada menos, Noah (Jack Coleman). Finalmente já sabemos o que lhe aconteceu. O pobre coitado decide assumir o papel de condutor. À medida que os poderes dos gémeos travam a erupção solar e salvam o mundo, Noah morre. Isto foi ligeiramente frustrante, visto que Noah sempre tentou proteger os gémeos e era, sem dúvida, um dos pilares da série. Mas enfim, número de mortes: três.

Quanto ao futuro? O segundo Tommy usa os seus poderes de teletransporte/viajante do tempo para resgatar toda a gente, trazendo-os de volta para a Gateway do presente. Claro que há uma pessoa que é deixada para trás: Erica. A vilã grita em agonia à medida que ela própria e a Gateway do futuro desaparecem. A vingança é um prato que se serve frio. Número de mortes: quatro.

Três meses mais tarde, os heróis vivem felizes para sempre: Miko e Ren realizam treinos de espada juntos, tornando-se cada vez mais próximos. Farah e Carlos continuam o trabalho do El Vengador e assumem a sua relação de uma vez por todas. Tommy e Emily retomam o seu trabalho na gelataria. Quentin é interrogado sobre os acontecimentos, mas recusa-se a revelar a identidade dos heróis, dizendo que, apesar de possuírem poderes extraordinários, no fundo são pessoas como nós.heroes reborn

Tommy e Malina recebem uma misteriosa carta de tarot com a figura de Gémeos. A sua avó Angela informa-os de que a carta é um sinal de que o pai dos jovens está a caminho e, desta vez, nada os poderá salvar. Esta foi uma jogada mestre, tendo em conta que o grande mistério da série sempre foi saber a identidade do homem que conquistou o coração da famosa Claire Bennet e a engravidou.

O final de Heroes Reborn encerrou todas as sementes que semeou ao longo do episódio e teve até momentos surpreendentes. As mortes de Phoebe e Luke foram algo imprevisíveis e Angela, René e Noah tiveram um regresso glorioso.

A série abusou um pouco do ecrã verdade – o jogo Evernow e a Gateway do futuro, por vezes, tiraram credibilidade à narrativa. Ainda assim, este reboot da saga de 2006 foi certamente melhor do que eu estava à espera. A NBC já anunciou que a série se ficaria por aqui, mas este final certamente tem pano para mangas. Eu não me importaria nada de ver mais uma temporada e conhecer finalmente o pai dos gémeos.

NOTA: 8/10