flash

The Flash 2×10: Devagar, devagarinho

Potential Energy marcou o regresso do super-herói mais rápido de todo o universo da DC. Tal como o nome indica, este episódio tinha imenso potencial e os enredos eram interessantes. No entanto guardou-se demasiado para o final, onde recebemos uma avalanche de informações. Apesar deste episódio de The Flash ter sido morto, ficamos a aguardar ansiosamente pela semana que vem.

A única novidade que é dada a meio é mesmo o porquê de o vilão da Terra 2 se chamar Zoom, o que numa série em que todos os vilões recebem nomes excêntricos, já fazia falta. Numa conversa entre Cisco (Carlos Valdes) e Dr. Wells (Tom Cavanagh), este diz-lhe que quando Zoom apareceu e matou 14 polícias só para lhes mandar a mensagem de que eram impotentes face às suas forças sobre-humanas. Um deles ficou vivo para contar a história e descreveu-o como  “a blue lightning zooming all around”. Zoom matou-o na mesma, mas ficou pelo menos para lhe dar uma alcunha.

Barry e Patty

flash

O casal trazido ao pequeno ecrã por Grant Gustin e Shantel VanSanten foi um dos focos principais do episódio. Barry Allen tenta por tudo esconder à sua namorada a sua verdadeira identidade enquanto Flash, mas decide contar-lhe quando se apercebe de que o seu disfarce está a prejudicar a relação.

Temos aqui um dos clichés mais batidos das séries de super-heróis e foi extremamente mal desenvolvido. Patty é detetive e está especializada na deteção de meta-humanos. Ora, tendo em conta que por diversas vezes Barry enquanto Flash se esqueceu de disfarçar a voz ao pé dela, não era caso para ela já ter percebido a sua verdadeira identidade?

Mais ainda, quando foi atacada neste episódio são Caitlyn (Danielle Panabaker) e Cisco que vêm a correr do espaço com Flash. Estes são os melhores amigos de Barry, trabalham num laboratório onde ninguém percebe muito bem o que se faz e de repente parecem ter uma relação bastante próxima com o protetor de Central City. São pistas e pistas deixadas ao longo deste episódio que Patty parece não querer agarrar e vira-se contra Barry enquanto este faz mais uma vez papel de mártir em prol da sua identidade secreta.

O vilão

The Turtle (Aaron Douglas) foi o vilão que nos foi apresentado neste episódio. Aparentemente todos sabia da sua existência exceto Barry… e os espectadores. Este consegue parar o tempo à sua volta transformando energia cinética em energia potencial (vamos todos fingir que entendemos isto!) e pode ser bastante útil para resolver o “problema Zoom”.

Chega a ser verdadeiramente incoerente o facto de toda a gente saber da sua existência e o monitorizarem, mas não terem feito nada para o deter até precisarem dos seus poderes. A equipa Flash não tem como função zelar pela cidade inteira? Quantos mais vilões andam por aí, mas porque ainda não mataram ninguém não são perseguidos?

O meta-humano não passa de um ladrão, mas ao ser perseguido por Flash chega a tentar matar Patty por mais de que uma vez e descobre-se que tinha congelado a mulher no tempo quando percebeu que esta o tinha tentado deixar. Patty só não tem o mesmo destino porque Barry/Flash consegue ultrapassar todas as barreiras da sua velocidade contra a imobilidade que Turtle lhe causa para a salvar.

Não é que este seja uma mau vilão, mas depois de termos visto o vilão mais forte de toda a série no episódio anterior – Trickster, interpretado por Mark Hamill  – este acaba por não corresponder às expectativas e talvez o facto de ser tão associal e introspetivo tivesse resultado melhor noutra fase da série. Assim, acaba por ser até aborrecido.

Um final explosivo

E é justamente nos cinco minutos finais que é demonstrado que afinal este episódio não foi assim tão parado paradinho.

Patty vai embora para estudar ciências forenses e acaba a sua relação com Barry, precisamente quando este estava prestes a revelar a sua identidade enquanto Flash. Na verdade não aquece nem arrefece porque o lugar de Barry é com Iris (Candice Patton) e está na hora de voltarem aí, se continuam a ter intenções de o fazer e não daqui a 40 temporadas. Mas não deixa de ser abrupta a forma como tal acontece depois de o episódio inteiro ter girado em torno desta relação.

E depois há muitas dúvidas que ficam por responder. Ficamos na dúvida se Dr. Wells mata Turtle. Ficamos na dúvida sobre qual a doença de Jay (Teddy Sears) que o está a matar rapidamente e da qual não tínhamos conhecimento até ao momento. Ficamos na dúvida se a reconciliação de Joe (Jesse L. Martin) e Wally (Keiynan Lonsdale) tem pernas para andar

Porém, temos a certeza de que o Reverse Flash (Matt Letscherestá de volta apesar de nem este saber onde está. Os próximos episódios andarão certamente à volta desta temática e por enquanto, tendo em conta que existem dois universos paralelos, não vale a pena conjeturar muito pois não sabemos rigorosamente nada sobre este “novo” Reverse Flash.

Nota final: 7/10

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
sam e dean supernatural
Supernatural. As lições de vida e os melhores episódios que marcam o fim de uma era