As imagens são carregadas e tenebrosas, a história encadeia-se tensa e emaranhada. Amor Impossível é uma paixão de perdição, em tudo o que isso significa.

Victória Guerra interpreta Cris, a protagonista do enredo, uma adolescente sonhadora com histórias de amor impossíveis, enfeitiçada pelo Monte dos Vendavais e por alcançar, na vida real, sem obstáculos, o nível épico dos amores proibidos de Catherine e Heathcliff ou Romeu e Julieta. Um amor que perdurasse, do qual as pessoas falassem por muitos anos.

Uma certa noite, o namorado de Cris, Tiago, aparece descalço, a fugir, contando que a namorada foi raptada e que ele foi drogado. Os investigadores da Polícia Judiciária, Madalena (Soraia Chaves) e Marco (Ricardo Pereira), rapidamente percebem que ele mente. Que Cris morreu.

Amor Impossível

Cris é indomável, sonhadora e levemente lunática. Vive um amor idealizado e encantado, que projeta em Tiago (José Mata), um miúdo mimado, imaturo e egoísta. É neste casal, que protagoniza o trágico enredo, que reside uma das maiores forças do filme: há uma vibração pueril e adolescente na forma como os dois atores dão vida às personagens. E essa fúria de viver acaba por se entrecruzar na tensão permanente de uma história que já sabemos como acaba, de um paixão que se concretiza em crime.

Lateralmente, o caso amoroso entre Madalena e Marco já viveu dias melhores. O casal que investiga este crime passional vive também uma história de amor conturbada, em part-time. Entre o que é uma paixão para Madalena e uma mera escapadinha para Marco. No entanto, e apesar da interpretação segura e cheia de classe de Soraia Chaves, capaz de pôr a personagem a viver em si nos gestos, silêncios e olhares, as cenas deste casal servem apenas para aliviar a tensão enquanto entramos nos meandros da poeticamente trágica relação de Cris e Tiago.

Amor Impossível

Vivemos as duas horas de filme sempre à espera do pior. Do gancho que vai desenlaçar a reação violenta, do momento em que percebemos a crua realidade. Do instante em que o desejo carnal resvala para a possessão doentia. E António-Pedro Vasconcelos consegue pôr-nos nesse transe, na inquietação miudinha que se vai agitando em doses crescentes do início para o fim do filme.

O pior chega. E os porquês não respondem.

7/10

Ficha Técnica
Título: Amor Impossível
Realizador: António-Pedro Vasconcelos
Argumento: Tiago R. Santos
Elenco (versão original): Victória Guerra, Soraia Chaves, José Mata, Ricardo Pereira, Maria d’Aires
Género: Drama, Romance
Duração: 120 minutos