Jornalismo pela hora da morte

O jornalismo português tem sido, para ser simpático, uma grande gaffe. Se em tempos de acalmia já nos habituámos ao fait-diver como modo de estar, num exercício jornalístico feito para entreter, é nestes momentos turbulentos e exigentes que vem ao de cima a total desorientação e falta de calibre intelectual na maior parte dos órgãos de comunicação social de referência.

Em primeiro lugar porque, perante problemas complexos, se tem limitado a dizer o que acontece. “Morreram 130 pessoas. Agora há confrontos aqui. Avião desviado por ameaça de bomba. Hollande disse isto. Agora mais duas mortes ali. A Torre Eiffel reabriu ao público. Já fechou outra vez.“. Na ânsia de publicar o título mais rápido que o concorrente, garantia de mais uns milhares de cliques numa notícia que vai sair praticamente igual em todo o lado, os jornais e televisões têm sido um pobre botão de partilhar.

Quando essa informação titular está dada e ainda há espaço por preencher, mastiga-se o texto e repete-se tudo por outras palavras, qual repórter em direto à espera que chegue o entrevistado. Sabemos que a era digital exige informação ao segundo, e agradecemos, mas isso não tem de impedir que os jornalistas… façam o seu trabalho.

Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

O que diferencia um profissional formado em jornalismo de um qualquer cidadão que vê uma coisa na rua e a relata? Mais filtro, menos filtro, o cidadão normalmente publica o que vê e manifesta a sua opinião, ficando-se por aí. Ao jornalista exige-se uma mediação, caso contrário esvazia-se a sua função e não precisamos dele para nada. Precisamos que ele enquadre os acontecimentos, que procure relações entre eles (que não sejam meros palpites), que nos explique por que aconteceram e, já que falamos de um assunto tão marcante como o terrorismo, que seja rigoroso em todos os termos que emprega e que explique as dinâmicas que levaram ao nascimentos destes grupos criminosos. Não temos de ir às masmorras da internet para percebermos o que se está a passar.

«Pior que uma notícia escassa, só uma notícia falsa»

E a pressa tem dado asneira. Pior que uma notícia escassa, só uma notícia falsa. E o desmentido nunca tem o mesmo alcance que o erro. Comecemos pelo passaporte encontrado junto a um dos corpos dos atacantes no Bataclan. Aduzidos pela febre, os nossos jornalistas publicaram o que viram: Um dos atacantes tinha passaporte sírio e entrou na UE pela Grécia como refugiado. Partilhas massivas. Foram precisas meras horas para se perceber que o passaporte era falso.

Por que é que este erro é particularmente grave? Precisamente porque alimenta um estereótipo (fortemente disseminado) que, por acaso, a realidade se tem encarregado de contrariar – dos seis suspeitos identificados, quatro deles tinham origem e educação europeias. O soundbite gerado por esse erro permitiu a muitas pessoas encontrar um bode expiatório imediato e não querer saber de mais nada.

Poderia o jornalista, com a devida bagagem, perguntar ou perguntar-se: é habitual os terroristas deixarem passaportes “esquecidos” nos locais dos crimes? É sensato que, nas hard news, o jornalista vá agregando informações e respectivas atualizações (desmentidos ou não) para que, na posse de dados relevantes, finalmente construa uma notícia robusta, credível e que justifique o impacto que vai ter. Mas concedo o erro, falo a posteriori e naquela redação possivelmente teria feito igual.

Eagles of Death Metal e os anjos da distração no jornalismo

Passando para o campo do ridículo, ou de uma equipa inteira a dormir, tivemos, na TVI, um jornalista a perguntar a um comentador se acreditava que havia alguma correlação entre os atentados terroristas e o estilo de música metal. São dois senhores engravatados numa estação séria, com ar sério a fazer figura de parvos. É o expoente máximo do lixo televisivo. Porque aqui não precisam de traduções nem informações oficiais nem contextualização nem nada. Um minuto de YouTube teria poupado 10 de patetice. Os Eagles of Death Metal são uma banda rock, por acaso bem trauteável. Mesmo se tocassem heavy metal, a pergunta não seria menos descabida: porque numa situação de horror a televisão tem muito mais para fazer do que instigar a pequena intriga, absolutamente gratuita.

https://www.youtube.com/watch?v=8oz5T4tEOnw

Por falar em intriga. Ontem no Jornal da Uma tivemos direito a uma peça de largos minutos diretamente da Póvoa de Lanhoso, com entrevista a velhinhos e aquele registo dramático na narração. Para dizer o quê? Que a mãe do terrorista do Bataclan partiu aos 6 anos e nunca mais teve relação alguma com a aldeia. É a própria reportagem que nos diz “Caro telespectador, não há aqui ponta por onde se lhe pegue, mas viemos cá na mesma”. Caramba, é pena, podia ter dado um excelente “Da Póvoa de Lanhoso city para o Mundo”. Ora, calculamos todos que não há nada mais interessante para tratar durante esta semana. Este é só mais um exemplo da fórmula (que não sei em que faculdade é que se ensina) “deixe o essencial pela superfície, esgravate o acessório”.

Podíamos estar aqui o dia todo e haveria sempre mais e mais momentos embaraçosos para contar, tudo passado em menos de uma semana. Só mais um; eu, pelo menos, achei grave. No programa de segunda-feira da Opinião Pública da SIC Notícias, para onde as pessoas ligam e expressam livremente a sua opinião, tivemos uma senhora a suportar a dela na base de que existem 300 milhões de terroristas em todo o mundo – nem a pivot de serviço nem a convidada, durante ou após a chamada, tiveram o bom senso de reagir. É a completa balbúrdia e a impunidade do disparate.

Amr Nabil / Associated Press
Amr Nabil / Associated Press

Haverá bons trabalhos, com certeza, mas a torrente de indignidades, redundâncias e ruído é tão forte que ofusca tudo. É, pior que um jornalismo de secretária, um jornalismo de Facebook, que perverte o fluxo da informação: em vez de produzir conteúdos para nós comentarmos na rede social, alimenta-se do que nela se diz, e com pouco cuidado. O resultado? Muitas vezes, é muito ténue a diferença entre uma notícia num órgão de comunicação credenciado e um qualquer site de origem duvidosa.

Para amostra paradigmática desta desistência, lemos um Director-Adjunto do Expresso a dizer que teve medo de ir a Paris. Não ia em trabalho. Mas não era suposto o fervor da profissão puxá-lo para lá, ainda por cima com tudo marcado?

A decência que espere

É perigoso pensar que os jornalistas se demitiram de formar a sociedade, de cultivar valores. Se estes ataques terroristas estão a ser explicados desta forma trapalhona pela comunicação social, não quero imaginar o que, por estes dias, tem sido ensinado às crianças e jovens nas salas de aula. É claro que já apareceram os vídeos-tutorial a explicar tudo o que há para explicar sobre o Estado Islâmico em 10 minutos. Não lhes retiro mérito. Mas compreender o que nos rodeia tem de ser um processo contínuo, obrigatoriamente longo, cuidado e rigoroso, que permita a interiorização geral da sociedade. Estas explicações de bolso, em jeito de workshop, não substituem o trabalho jornalístico que, para além de especialmente importante, deve também ser um dever moral de todos os que respeitam a profissão.

Podemos dar o benefício da dúvida e aceitar que as peças são fracas porque, simplesmente, há poucos especialistas em questões internacionais nas redações? Talvez. Mas o tratamento dos assuntos caseiros, mais fácil, não nos permite essa interpretação. A crise política, as circunstâncias absolutamente atípicas da Assembleia da República e a nova janela que se pode abrir na vida política portuguesa podiam servir para o jornalismo estar na linha da frente do aprofundamento democrático em Portugal. E que refrescante poderia ser, independentemente das nossas convicções. Os jornais e as televisões preferiram virar o foco para a fulanização, engendrar estados de espírito dos líderes políticos, conspirar sobre intenções e dar palco aos pressentimentos. É pena.

Quando um restaurante provoca uma intoxicação alimentar aos seus clientes tem sérios prejuízos financeiros e de reputação. Quando um mau trabalho jornalístico nos contamina, sabemos que esse jornal vai ter um dia glorioso em receitas de publicidade. A decência que espere.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Júlia SIC audiências
‘Júlia’ lidera audiências pelo segundo dia consecutivo