Os programas que analisam à lupa um álbum não se esfumam no Álbum de Família. E ainda bem. Durante muitos anos, a rádio foi a única forma de os ouvintes terem contacto com os novos sons que saíam cá para fora. Várias foram as gerações que cresceram a alimentar a gula musical com programas de autor que não faziam mais nada senão tocar álbuns inteiros, uns sem comentários e na íntegra, outros com apontamentos e curiosidades pelo meio das faixas.

Nos nossos dias, uma das particularidades deste tipo de programas parece residir no espaço temporal que os mesmos abordam. Se no programa da Radar o espetro pode ir até aos confins das décadas mais vivas da música, com Velvet Underground & Nico, The Dark Side of The Moon ou Purple Rain à cabeça, já n’O Disco Disse, outro programa que convida os ouvintes a viajar pelos meandros de um álbum inteiro, a prioridade vai inteiramente para os trabalhos que acabaram de sair, e que ainda estão a conquistar as massas, tais como B’lieve I’m Goin Down ou Heat.

A aventura radiofónica que juntou Mário Lopes, jornalista e crítico de música e Quim Albergaria, baterista dos PAUS, começou no programa Dois Homens e Um Disco, na Vodafone FM. Tratava-se de um espaço semanal no qual apresentavam um álbum acabado de sair e através do qual se desenvolvia uma conversa entre os dois apresentadores sobre o mesmo, à medida que as canções eram tocadas pela ordem de aparição no trabalho. A fórmula era simples, mas revelou ser vencedora. No final do verão, deixaram a Vodafone FM e abraçaram o reposicionamento da Antena 3 com um programa com o mesmo modo de funcionamento: O Disco Disse.

O Disco Disse

A dupla transitou para a Antena 3 mas mantém o formato de programa de escuta de um álbum.

E qual é o mesmo modo de funcionamento? Durante cerca de 90 minutos – a duração é variável – os dois locutores trocam ideias e impressões sobre o álbum que estão a tocar, ao mesmo tempo que o analisam de forma minuciosa. A conversa entre os dois locutores acaba por praticamente não ter balizas definidas, mas atenção que este facto não é mau. É ótimo. Por ser um programa que não vive preocupado com durações.

Os diálogos que são criados em cada programa sobre temas como os géneros musicais em voga, as bandas que os representam, a origem das mesmas e o que é que que fizeram até aos lançamentos atuais, cria uma atmosfera cativante e agradável. No fundo, é como se estivéssemos em casa com um grupo de amigos a falar sobre música, bandas, álbuns e digressões.

Informal e descontraído. São alguns dos adjetivos que rapidamente virão à cabeça a todos os que se aventurarem a escutar, juntamente com Mário Lopes e Quim Albergaria. Apesar de estarem há pouco tempo na Antena 3, o trabalho feito na Vodafone FM deixa antever que O Disco Disse será um espaço com muito para dar.

Programa: O Disco Disse;

Autoria: Mário Lopes e Quim Albergaria;

Rádio: Antena 3 (Nacional; online);

Vai para o ar: de 2ª para 3ª às 00h;

Podcast de escuta: O Disco Disse – Kurt Vile: B’lieve I’m Goin Down.

Em 5 minutos – Aleixo FM

Saudades d’O Programa do Aleixo? Ele está de volta mas com outro nome e sem imagem. É na Antena 3 que reside o novo espaço que junta Bruno Aleixo, Renato Alexandre, o Homem do Bussaco, o Busto, entre outras personagens.  Uma vez por semana, a Aleixo FM dá voz a temas fraturantes da atualidade e analisa-os à boa moda de Bruno Aleixo, num humor que pode não agradar a todos mas que tem uma identidade muito própria e peculiar.

Rubrica: Aleixo FM;

Autoria: João Moreira e Pedro Santo;

Rádio: Antena 3 (Nacional; online);

Vai para o ar: 4ª às 9h20.

Uma última coisa: A identidade gráfica deste espaço foi desenvolvida de forma soberba pela equipa da Covil.