tcm17318824_Large

Passo a Passo com Hans van Manen

Já criou mais de 120 peças e o seu trabalho já foi realizado em mais de 50 companhias de dança pelo mundo. Estamos a falar de Hans van Manen. No ano em que a Dutch National Ballet recordou algumas das suas peças, caminhamos ao lado de um dos coreógrafos mais marcantes da atualidade. 

Nasceu em 1932, em Nieuwer Amstel, na Holanda. Aos 7 anos muda-se para Amesterdão, ficando a morar muito perto de um Teatro. Desde então, nunca mais fica longe dos palcos. Durante a adolescência faz pequenas performances acompanhadas com a música que passava na rádio, quando ninguém estava em casa. Mas é aos 18 anos que entra para a Companhia Sonia Gaskell, passando para a Netherlands Opera Ballet um ano depois. Aí é promovido a solista e inicia a sua carreira como coreógrafo.

Em 1961, depois de ter estado na Companhia Roland Petit, em Paris, volta a casa, nomeadamente para a recém-formada Nederlands Dans Theater (NDT). Nessa companhia torna-se diretor artístico durante 10 anos. A partir de 1971, o coreógrafo começa um período de transições entre duas companhias. Começa esse percurso na NDT e vai para a Dutch National Ballet em 1973. Volta para a NDT em 1988 e ao sair, regressa à  Dutch National Ballet, em 2003.

sl-manen-tribute-jurgita-dronina-jozef-varga_1000
Jurgita Dronina e Jozef Varga do Dutch National Ballet num tributo a Hans van Manen

Ao longo do seu trabalho como coreógrafo, trabalha com companhias como a National Ballet of Canada, a San Francisco Ballet, o Royal Ballet, a Alvin Ailey American Dance Theater ou o Stuttgart Ballet.

Em Portugal, Hans van Manen colaborou com o Ballet Gulbenkian em peças como Canções sem palavras e 5 TangosEm 2016, a Companhia Nacional de Bailado, depois em Programa de Homenagem ao Ballet Gulbenkian ter dançado Twilight, volta a interpretar 5 Tangos.

Como é o seu trabalho como coreógrafo?

Hans van Manen tem vindo a criar um marca bem reconhecida na linguagem da dança. Tendo como base o ballet clássico, usa influências da dança moderna, como Martha Graham, e ainda junta elementos como a ginástica ou as artes marciais às suas peças. Pela simplicidade, a estrutura clara, a ênfase nas linhas do corpo e o destaque nas relações humanas, é conhecido como o Mondrian da dança.

“Eu sou muito mau a contar histórias, e essa é a razão pela qual nunca faço bailados muito longos. Eu prefiro fazê-los pequenos e o mais precisos possível”, disse o coreógrafo em entrevista ao Ballettanz, em 2007. São muitas as peças que tem criado. Destacamos as seguintes para que possas conhecer um pouco das características do seu trabalho:

  • 5 tangos

A música é do argentino Ástor Piazzolla e o tema é o tango, portanto já pressupomos que será um bailado com muito drama e paixão. Coreografado pela primeira vez para a Dutch National Ballet, esta foi uma nova forma de interpretar o tango. Os ritmos do tango têm misturas de rock e jazz e os duetos criados por Hans van Manen entrelaçam a precisão do ballet clássico com a sensualidade. Esta é a versão da Companhia Nacional de Bailado:

  • Without words

Duas das características nas criações de Hans van Manen são os duetos e os bailados “sem história”. Without Words, criado em 2010, é mais um desses exemplos. Alexander Zhembrovskyy e Igone de Jongh fazem parte do seguinte dueto, onde a ligação entre os dois é clara:

  • Dejá vu

Dejá vu, estreado em 1995, mantém a “obsessão” de Hans van Manen pelos duetos. Os dois bailarinos que o dançam devem assumir um relacionamento forte, mantendo sempre o olhar. A música é Frates de Arvo Pärt, numa versão a violino e piano. Aliás, as versões das músicas em piano são algo também recorrente no trabalho do coreógrafo. Este dueto é da Netherlands Dans Theatre:

  • Solo

Três homens de roxo dançam um único solo. Mais uma vez sem uma linha narrativa, Hans van Manen joga com fragmentos de histórias entre as pessoas e questiona a divisão do trabalho entre bailarinos e bailarinas no ballet. Vê a versão do Ballett am Rhein:

  • The old man and me

Aqui há música de J. Cale, I. Stravinsky e W.A. Mozart e foi originalmente criado para dois bailarinos bem experientes: Sabine Kupferberg e Gérard Lemaitre da Nederlands Dans Theater. Este dueto dança situações reais entre a melancolia e a euforia. Marlúcia do Amaral e Martin Schläpfer são os protagonistas do seguinte vídeo:

Atualmente com 83 anos, Hans van Manen já foi  reconhecido com os seguintes prémios:

  • Officer of the Order of Orange-Nassau – 1992
  • Deutscher Tanzpreis – 1993
  • Prémio Erasmus – 2000
  • Prix Benois de la Danse – 2005
  • Comendador da Ordem do Leão da Holanda – 2007

Além da dança, Hans van Manen também é apaixonado pela fotografia e pelo vídeo, sendo uma das personalidades que defende a filmagem do ballet. Este ano, ao recriar peças bem conhecidas do coreógrafo, como Live, Metaforen, Two gold variations e Twilight, a Dutch National Ballet não esqueceu a ligação que Hans van Manen tem às câmaras, como podes ver ao carregar na seguinte imagem:

maxresdefault

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
RTP artistas em rede
‘Artistas em Rede’. RTP lança programa feito em teletrabalho ao sábado à noite