Doc-Lisboa-2015_660x371

DocLisboa ’15: os seus “Verdes Anos”

O DocLisboa organiza todos os anos a secção Verdes Anos — uma mostra de filmes produzidos por alunos que cursam cinema, audiovisuais, comunicação, inclusive pós-graduações relacionadas com o cinema documental. O Cinema São Jorge foi assim, no passado dia 27 de outubro, o espaço escolhido pela organização para dar a conhecer as curta-metragens de Inês de Lima Torres, Nayeem Mahbub, Christina Hanes e Diogo Nóbrega.

Através do nobre objetivo de dar a conhecer ao público novos realizadores ainda em contexto de formação, Verdes Anos pretende abrir uma plataforma de diálogo e reflexão, operando como uma rampa de lançamento destes mesmos artistas.

Esta Terra Não É Minha (Inês de Lima Torres), procura documentar a experiência do abandono de um país de origem, em virtude da fixação noutro, por vicissitudes pouco controláveis que obrigam a essa mudança. Com filmagens em Barcelona em VHS que oferecem ao espectador a envolvência necessária para a compreensão do registo diarístico que nela se encontra patente, esta curta-metragem fala-nos da passagem do tempo, do crescimento de tudo o que nos circunda, do abandono de quem gostamos e de um sentimento de não-pertença inultrapassável.

VA_esta-terra-não-é-minha

Também Mohadeshiyo Probaho / Continental Drift (Nayeem Mahbub), no seguimento da linha narrativa abordada por Esta Terra Não É Minha, demonstra igualmente o desligamento ou não que pode decorrer de uma separação térrea e de um lugar físico, quando tantas memórias e vivências lá ficam sedimentadas. Desta feita, com recurso a imagens ofuscadas, difusas e a voz de um narrador, esta é uma curta-metragem que transborda a sensação de procura de uma identificação própria num espaço que não é o nosso.

Continental-Drift-300dpi-Screenshot-3

The Falling of a Hero of Our Time (Christina Hanes), retrata um homem com os seus 70 anos, captando muito naturalmente a sua história apenas através da relação deste com a própria realizadora, que intervém em diálogo com o mesmo. São contadas em conversa histórias de outros tempos, pautadas pela luxúria, pelos desejos de antigas amantes e, curiosamente, o que levou a curta-metragem a ter o nome que tem, dado ele mesmo pelo protagonista da história, em cena.

VA_The-falling-of-a-hero-of-our-times

Por último, A Palavra (Diogo Nóbrega) é a mais longa das curtas. Tem 50 minutos e acompanha a história real de uma família portuense, composta por uma mãe que luta dia-a-dia com o drama que é ter um filho autista. É mostrado o lado mais íntimo e pessoal de quem se debate contra o flagelo de criar um filho isolado do mundo exterior, em constante preocupação para devolver o que é dele à realidade.

A Palavra

Até ao próximo dia 1 de novembro, o DocLisboa continuará a apresentar curtas-metragens, pequenos documentários e obras cinematográficas realizadas por cineastas que, apesar de ainda verdes, por se estarem a estrear no ramo, apresentam já uma personalidade muito própria e vincada e uma enorme qualidade nas obras que transferem para o grande ecrã, deixando no espectador a vontade de querer ver mais.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
gloden globes
Golden Globes 2021. Conhece os nomeados para Melhor Filme Dramático