02

Algo_Ritmo Musical #2

Sê bem-vindo à segunda edição do Algo_Ritmo Musical, a nova rubrica de música do Espalha-Factos e que pega naquilo que a Discover Weekly do Spotify recomenda aos redactores.

Esta semana ficou comprovado o que a Cátia Rocha disse na semana passada: “Não é que se possa dizer que o algoritmo usado pela Discover Weekly seja sempre perfeito…”. Foram várias as músicas completamente ao lado e fora do meu estilo. Bolas, Spotify, até músicas turcas me sugeriste! Mas num lote de 30 músicas ficaram algumas surpresas e outras que, apesar de não serem novidades, provam que o algoritmo até funciona.

Oscar and the Wolf Strange Entity – Entity (2014)

Oscar and the Wolf até têm uma música com o meu nome (Joaquim), mas estou certo de que não foi por isso que foram incluídos na minha Discover Weekly. A banda é um caso de sucesso na Bélgica, de onde são originais, graças ao seu electropop, dreampop e com umas nuances indie. Strange Entity é uma música que transmite obscuridade; afinal o rapaz está à procura da rapariga, mas ela não lhe liga nenhuma.

A história deste sujeito cria ainda outra sensação, a de culpa. Como? Queremos abanar o pescoço ouvindo a música, mas não nos esquecemos do problema dele…

Low Deep TCasablanca – We Are One (2012)

Lembram-se de eu dizer ali em cima que havia músicas que não eram novidade ou surpresa? Estava a falar desta Casablanca. Apesar de não ser um dos meus temas mais favoritos, destaco a música para bater palmas ao algortimo do Spotify. Já me cruzei diversas vezes com a música de Low Deep T em cafés, na rua ou na rádio, mas nunca no Spotify. É bastante engraçado ver como a Discover Weekly o encontrou e soube que eu ia gostar.

Bob MarleyIs This Love (Montmartre remix)

Quem me conhece, sabe que não sou fã de música reggae. Não consigo explicar porquê, mas não entra no meu sistema. No entanto esta relação tem sobretudo a ver com a sonoridade característica do género, não com a mensagem. Foi, portanto, uma surpresa agradável quando o Spotify me sugeriu esta versão de Is This Love.

É uma solução win/win pois tenho a mensagem do mestre Bob Marley e também uma música com sonoridades a fugir para house e que puxam à dança.

Rudimental feat. John Newman & Alex ClareNot Giving In – Home (2013)

Para não conhecer esta música seria necessário ter passado os últimos dois anos isolado do mundo e sem acesso a um rádio. Not Giving In inundou as rádios nacionais e tornou-se numa das músicas mais reconhecidas por todos. Mas então porquê que eu destaquei esta música? Porque gosto dos Rudimental e mais uma vez a Discover Weekly acertou.

Kasabian – eez-eh – 48:13 (2014)

Para mim, e para a maioria dos fãs de futebol, Kasabian significa Barclays Premier League, graças à introdução baseada na música Fire. Ao longo dos anos, o meu gosto pelos Kasabian foi subindo até que o hiato da banda o abrandou. Foi com surpresa que me deparei com eez-eh. Fez-me lembrar dos tempos em que andava atrás de tudo o que era da banda e, talvez, o volte a fazer. Obrigado, Discover Weekly.

Vintage Culture feat. Constantine & Felten – Eyes

Desengane-se quem pensa que o Brasil só produz música samba, funk, MPB ou Lepos Lepos. Vintage Culture foi a maior surpresa da lista. O brasileiro Lukas Ruiz é o responsável pelo projecto que vai buscar inspiração a nomes como Depeche Mode, New Order ou Petshop Boys. O tema Eyes conta com a colaboração de outros dois brasileiros e é umas melhores músicas que ouvi ultimamente. O tema tem tudo para ser um sucesso em qualquer lado, pois tem a energia suficiente para ser levado para a pista de dança e tem, ao mesmo tempo, aquela sensação de chill para nos acompanhar num pôr-de-sol.

Mais Artigos
Mariza, Carminho e Tony Carreira em nova manifestação do setor da Cultura