_MG_5906

ModaLisboa The Timers – Dia 1

A 45ª edição da ModaLisboa começou dia 9 de outubro e, como já é usual, o primeiro dia ficou marcado pelos desfiles do Sangue Novo. Os jovens criadores que apresentaram as suas coleções foram, por ordem, Tânia Nicole, Cristina Real, Banda, Ruben Damásio, Patrick de Pádua, Carolina Machado, Sara Santos, David Catalán, Carlotaoms e Inês Duvale. O primeiro dia desta edição da ModaLisboa continuou com desfiles de AwaytoMars, Catarina Oliveira, Luís Carvalho e Carlos Gil.

De entre os jovens designers destacaram-se Tânia Nicole, que nos apresentou uma coleção masculina, mais tarde selecionada para representar Portugal no festival FashionClash, na Holanda e Sara Santos que não se podia ter estreado melhor e acabou por receber uma bolsa na Domus Academy, em Milão.

Sangue Novo

Tânia Nicole apresentou-nos uma coleção masculina, em que dominam as riscas verticais, os coletes e a ganga; os tons escolhidos foram o cinza, preto, azul e branco. Cristina Real apresentou uma coleção super feminina e jovem, com destaque para o pormenor dos sapatos coloridos; dominaram os brilhantes e o peplum. Já Banda apostou nos cortes assimétricos e estampou eléctricos nas suas peças, onde dominaram o azul e o laranja. Ruben Damásio escolheu os looks totais em branco e cinza e peças de corpo inteiro; desfile que se destacou pelo acessório de cabelo com madeixas pretas das suas manequins. Patrick de Pádua, ao som de um rap, montou um desfile alusivo ao basebol, em que os seus modelos usavam capacetes brancos e privilegiou o tecido tipo rede em branco e verde neon.

Carolina Machado (a lembrar Marques’Almeida) apostou nas gangas esfarrapadas em vários tons e nos decotes profundos tanto à frente como nas costas. Sara Santos abriu o seu desfile com um capacete com luzes, em que dominaram os azuis petróleo, bomber jackets e o neopreno. David Catalán combinou o preto com dois tons de rosa: rosa bebé e o rosa pastilha-elástica, resultando num contraste marcante. Carlotaoms, em harmonia com a música, trouxe à passerelle o amarelo lemonade, a contrastar com outros looks totalmente pretos; os acessórios escolhidos foram os bonés e as mochilas, também em preto. A fechar os desfiles do Sangue Novo, Inês Duvale que nos trouxe chapéus de abas largas, gabardines, franjas, e apontamentos vermelhos e azuis em peças pretas.

AwaytoMars

Os desfiles seguintes tomaram lugar nos Paços do Concelho e foi a vez de AwaytoMars mostrarem a sua coleção em que os looks totais dominaram em azul brilhante, vermelho vivo e estampados. Os bolsos ocuparam lugar nas calças e t-shirts.

Catarina Oliveira

Seguiu-se Catarina Oliveira que apresentou Savage Mind, cujo mote era “o controlo que a mente humana tem sobre os instintos básicos humanos, muitas vezes reprimidos”. As peças, todas com o mesmo estampado, eram fluídas, muitas delas plissadas, com transparências, em tons bege e pêssego.

Luís Carvalho

Seguiu-se Luís Carvalho com um desfile que abriu com Inês Castel-Branco num vestido strapless preto fluido, semi-transparente coberto de estrelas. Dominaram os brancos, lilases, cinzas, verde água, azul petróleo e um padrão floral que combinou todas estas cores. Os vestidos eram compridos, com decotes marcados, alguns plissados, alguns camada sobre camada. Algumas peças tinham apontamentos de lantejoulas pretas.

Carlos Gil

A terminar o primeiro dia da ModaLisboa esteve Carlos Gil que brindou o Pátio da Galé com uma coleção elegante. As peças eram de um tecido tipo rede brilhante, riscas horizontais em tons de laranja, branco e azuis. De notar as camisas brancas com colarinhos em glitter por baixo dos vestidos e saias rodadas; calças fluídas e subidas com tops curtos. Dominou uma silhueta feminina marcada e é de referir que as carteiras foram usadas na mão.

StreetFashion e Extras

Texto por Inês Oliveira

Fotografias por Inês Delgado

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Soraia Chaves é a Generala.
Crítica. ‘A Generala’: a identidade em todos os ecrãs