O terceiro episódio de Heroes Reborn, intitulado Under The Mask, foi exibido no passado dia 1 de outubro na NBC e veio finalmente estabelecer a ameaça principal que se impõe neste reboot da famosa série de Tim Kring.

No último episódio, assistimos ao rapto de Zoe, que é na verdade Molly Walker, pois esta é a chave para que o plano da organização Renautas possa ir avante. Neste episódio, conhecemos a presidente de Renautas, Erica Kravid (Rya Kihlstedt), que é mãe de uma das raptoras de Molly. Erica revela que a sua empresa desenvolveu uma tecnologia capaz de, com a ajuda do poder de Molly, localizar qualquer Evo (humano com habilidades especiais) em qualquer parte do mundo. Esta tecnologia pretende caçar os Evos de modo a extingui-los.

H1

Luke e Joanne (Zachary Levi e Judith Shekoni) continuam a sua viagem pelo país de modo a, à semelhança de Renautas, caçarem Evos, por justiça ao seu filho que presumidamente morreu às mãos de um. Os planos não parecem correr como planeado quando Luke descobre que ele próprio é sobre-humano: tem um poder relacionado com o calor que ainda está por descobrir.

Miko (Kiki Sukezane), no Japão, na tentativa de salvar o seu pai, é capturada por Harris (Cle Bennet), um homem que trabalha para a Renautas e que revela ter o poder de se multiplicar. Já Carlos (Ryan Guzman), em Los Angeles, continua a sua demanda de ajudar o sobrinho e todos aqueles com poderes a escaparem para o Canadá, de modo a encontrarem um lugar seguro para viver.

H2

Noah Bennet (Jack Coleman), cujas memórias foram apagadas, desvenda mais acerca do que se passou no dia 13 de junho, após o ataque terrorista, descobrindo que esteve perante o cadáver da sua filha Claire. Para além disso, descobre que Molly esteve com ele nesse mesmo dia. Assim, decide tentar salvar Molly, mas o seu plano falha e esta acaba por ser capturada pela Renautas, que dá início ao seu plano. O episódio termina com Tommy (Robbie Kay) tendo um acidente de carro com a sua mãe.

Heroes Reborn está (muito) longe de fazer justiça à série original. Os episódios lançados até agora têm introduzido uma panóplia extensa de personagens sobre-humanas, cujos poderes e histórias são tudo menos interessantes. A narrativa que envolve Renautas parece ter um pouco os pés assentes no chão, pois mostra de que forma as tecnologias dos dias que correm podem pôr em risco a vida das pessoas, mesmo que seja num mundo de ficção. Ainda assim, uma visão clara do mundo que nos envolve parece não ser suficiente para Heroes Reborn ter um futuro brilhante garantido.

NOTA: 4/10