Pela décima segunda vez, o Campus de Benfica do IPL recebeu aquela que é uma das noites mais escsitas do ano. 26_05, King Kong, GROGnation e Von Di Carlo estiveram a cargo de dar animação ao público.

Para alguns, era noite de estreia, tanto enquanto experiência de visitante do arraial, quer enquanto experiência de atuar no arraial (em cima do palco, que há sempre quem dê tudo entre o público…).

Ainda ao início da noite, era tempo de a escstunis, a tuna da Escola Superior de Comunicação Social, começar a organizar o público, para a noite que se avizinhava. Numa festa em que a maior parte é da “casa”, nem foi preciso grande esforço para que o público acompanhasse os temas da atuação. Como não poderia deixar de ser, a Imperial teve honras de encerramento, sendo uma das músicas mais desejadas.

Seguiu-se a atuação de 26_05, formados no programa da SIC, Fator X. Com um repertório maioritariamente composto por covers, o grupo destacou-se por uma presença forte em palco. Entre os temas, contou-se  a cover de Sing, de Ed Sheeran ou Rude, dos Magic!.

26_05

Tivemos oportunidade de falar com King Kong, antes daquela que seria a sua estreia nesta festa académica. Depois de uma passagem pela Enchufada, editora quase casa-mãe de Buraka Som Sistema, Pedro Maurício – o cérebro por detrás de King Kong  – passa para a Kambas, um projeto levado a cabo por Fred Ferreira. “Trabalhar com o Fred é fantástico”, conta. Isso não gera grandes dúvidas, ou não fosse Fred Ferreira responsável por alguns dos projetos musicais que têm vindo a vingar nos últimos anos.

Mas Pedro não se limita apenas ao projeto King Kong e está também no Kanalhas, onde não está sozinho. “É ótimo estar a trabalhar com um gajo como o Stikup, que tem muitos anos disto. Espero vir a aprender com ele, estamos a produzir juntos, espero vir a tocar mais, até chegar lá fora.”

Em relação a expetativas, King Kong ainda mostrava algumas dúvidas: “não sei se o material que tenho é o mais apropriado, é mais africano, não sei se o pessoal vai curtir…”, confidenciava. Minutos depois, todas as dúvidas desapareciam. Um set que dava vontade de dançar e capaz de aguçar a curiosidade do público. Afinal, King Kong está preparado para lançar novidades em breve.

King Kong

Os GROGnation jogavam em casa. Depois de um muito bem sucedido Sem Censura, lançado em 2014, o grupo de Mem Martins apresenta o EP Na Via, lançado este ano. A energia é contagiante e o amor ao hip hop ainda maior. Com direito a participação de Filipe Gonçalves, os GROG não deixaram os créditos por mãos alheias e mostraram que têm mesmo muito mais para dar.

Grognation

Von Di Carlo é das mais jovens produtoras portuguesas que, neste último mês, tem vindo a marcar presença em várias festas académicas de Receção ao Caloiro. À semelhança de King Kong, também era a primeira vez no Arraial ESCSito. “Tenho estado a fazer muitas colaborações, tenho estado fechada em estúdio, praticamente, tenho estado a trabalhar com vários artistas portugueses – a Blaya, a Diana Monteiro…”

Mas, afinal, como é ser das produtoras mais jovens, num meio marcadamente masculino? “É bom, porque me dá oportunidade de crescer. Não vejo a coisa como sendo necessariamente a mais nova, mas como sendo aquela que tem mais tempo para aperfeiçoar”, conta. Ainda antes da atuação, Von Di Carlo destacava a interação do público. “Acho que vai ser a partir”, dizia.

Von di carlo

Apesar de ter de lidar com um set mais curto do que suposto, Von Di Carlo mostrava que a sua profecia estava certa. Na manga trazia os remixes que tem vindo a lançar nos últimos tempos, com a promessa de que ainda há mais por aí…

Fotografias de AEESCS.