Beirut

“No No No” dos Beirut: é mais sim, sim, sim

55Uma tripla negação intitula o mais recente projeto discográfico dos BeirutNo No No foi lançado pela produtora britânica 4AD. O álbum é, sem dúvida, uma referência para aquilo que de melhor tem sido feito em géneros como o folk e o indie pop, em 2015, até agora. Fiéis a si próprios, os Beirut conseguiram evoluir no mesmo registo sem se tornarem maçadores.

A percussão dá início ao álbum. Gibraltar é aquele cartaz de boas vindas que há muito se esperava. Quatro anos volvidos após o lançamento de The Rip Tide, é bom saber que os Beirut ainda não perderam o jeito.

O tema homónimo é o primeiro grande destaque. No No No, o primeiro single deste disco, apresenta-se como o tema mais eletrónico. O arranjo das teclas é, no mínimo edificante, capaz de puxar um sorriso em qualquer altura. O refrão fica facilmente na cabeça e rapidamente quem o ouvir quer acompanhar a banda na cantoria.

No mesmo sentido, Perth também se destaca pela positiva. Trata-se de um tema indie pop bastante bem conseguido. O famoso trompete encaixa na perfeição. Ao som desta canção, o ouvinte facilmente se imagina num belíssimo passeio ao sol, num fantástico dia de verão. É mais uma prova de que este álbum tem tudo para ser uma excelente aposta do grupo norte-americano.

Pacheco relembra o soul dos anos 60. O ritmo mais lento e as sobreposições de vozes são interrompidos casualmente por toques eletrónicos. As Needed é a única faixa instrumental. Os Beirut provam assim que,  na ausências das suas vozes, também podem surgir boas músicas.

Fener é uma música de dois ritmos. Primeiro, um piano toma conta do espaço; num ritmo alegre e um tanto energético. Ao fim de umas estrofes, a música toma um tom ligeiramente eletrónico, e mais relaxado. Quando se pensava que a música não podia melhorar, o grupo prova o contrário.

No No No acaba ao som de uma espécie de valsa. So Allowed embala o ouvinte entre arranjos de cordas, trompete e piano. Sem dúvida, uma boa forma de rematar este disco, ao estilo incomparável folk dos Beirut.

Neste que é o seu quarto álbum de estúdio, os Beirut comprovam que ainda mantêm a qualidade de outros tempos. Pode não ser o álbum do ano, mas certamente foi uma boa surpresa para quem já estava à espera de um novo projeto da banda desde 2011.

Tracklist de No No No

  1. Gibraltar
  2. No No No
  3. At Once
  4. August Holland
  5. As Needed
  6. Perth
  7. Pacheco
  8. Fener
  9. So Allowed

Nota Final: 8/10

Mais Artigos
Crítica. ‘Aqueles Que Me Desejam a Morte’ promete muito mas acaba por desiludir