O MOTELx é um festival de cinema de terror que conta apenas com uma secção competitiva. O prémio MOV é destinado à melhor curta-metragem de terror portuguesa e aqui fica a opinião da equipa do Espalha-Factos a cada uma das curtas nomeadas nesta 9ª edição do festival. À luz do eventos da noite de dia 13 de setembro o júri do prémio MOV MOTELx atribuiu a Miami o título de melhor curta-metragem de terror do ano.

A Tua Plateia – 6/10

53ff302f-ec78-4b70-be75-d3a94b13c1b2_zpsyyyz6pzp

Óscar Faria oferece-nos aqui uma história tensa, pesada e misteriosa. Sem diálogos (só ouvimos a voz do protagonista – muito bem encarnado por Miguel Damião – num monólogo final), a essência de A Tua Plateia reside nos sons da natureza e na sua fantástica fotografia. Pode não ser a melhor curta que se viu no MOTELx, mas visto que as ações da personagem principal só são explicadas no último segundo, há que admitir que capta a nossa atenção e curiosidade durante todos os seus 10 minutos.

Andlit – 6/10

motelx_andlit

Além da história mais que batida e de pequenas falhas técnicas, Andlit é um digno trabalho para alguém tão jovem quanto o realizador João Teixeira Figueira. A única curta-metragem no certame em animação, Andlit contrasta com todas as outras por esta particularidade, numa animação stop motion que vem dar uma lufada de ar fresco a toda a secção competitiva. No entanto o argumento de Andlit não nos traz nada de novo ao universo de homem vs. máquina.

Ermida – 6.5/10

motelx_ermida

Ermida leva-nos ao encontro de um casal numa capela abandonada. Mas aquilo que parecia um mero encontro romântico rapidamente se torna num pesadelo quando se descobre que a capela está assombrada. Não poupando em cenas fortes e conduzindo o público por cenários claustrofóbicos e sombrios, Vasco Esteves peca talvez por não tornar o clímax tão possante quanto seria de esperar. Não obstante, a sua curta é merecedora de uma vista de olhos e acaba por ser uma das mais interessantes desta edição do MOTELx.

Gasolina – 5/10motelx_gasolina

Apesar de uma interessantíssima história e um argumento muito engraçado, Gasolina deixa bastante a desejar. Cheio de potencial para oferecer um ou outro jump scare e com curiosas interpretações por parte do elenco, a curta de João Teixeira tem problemas de ritmo e nunca consegue criar verdadeira tensão em cenas que, rodadas com um pouco de mais cuidado, poderiam ser muito melhores.

Insónia – 7.5/10

motelx_insonia

Esta é a história de um homem solitário que acaba por salvar uma mulher em apuros. Num filme que se assume como um híbrido entre terror, thriller e de perseguição, Insónia destaca-se na competição pela sua qualidade de imagem. De facto a fotografia no filme de Bernardo Lima é talvez das que mais surpreendam na competição, a par de A Tua Plateia. Destaca-se também o trabalho de realização e a interpretação de Nuno Pardal no papel principal desta curta-metragem.

Miami – 7/10

motelx_miami

O desejo de alcançar a fama leva muitas vezes as pessoas aos extremos. É isso que acontece com Raquel, a protagonista de Miami: o sonho de ouvir o seu nome nas bocas do mundo vai levá-la a fazer o impensável. Em apenas quinze minutos, Simão Cayatte constrói uma tensa história em torno da jovem rapariga e das suas ambições, prendendo o espectador ao ecrã. Destaque ainda para a interpretação de Alba Batista, que eficazmente se põe na pele de Raquel.

O Efeito Isaías – 5/10

Captura de ecrã 2015-09-13, às 19.28.24

O filme de Ramón de los Santos, nas palavras do próprio, combina dois grandes amores pessoais: o cinema e a física quântica. A história de Isaías colide assim num emaranhado de mundos paralelos e desafios da mecânica. Por mais interessante que isto possa parecer – porque é – o argumento não podia defraudar mais as expectativas do público. Extremamente desapontante e algo pretensioso, O Efeito Isaías apenas vale pela sua polida imagem e realização cuidada.

O Tesouro – 4/10

motelx_o_tesouro

Baseado no conto “O Tesouro” de Eça de Queiroz, este filme com a assinatura de Paulo Araújo não tem muito por onde se pegar. Se considerarmos que a grande qualidade da curta é mesmo a sua história, teremos então que atribuir os louros a Eça em si e não a Araújo que entrega também um argumento que roça quase o grosseiro. Com uma fotografia algo amadora e efeitos especiais desnecessários, O Tesouro é talvez dos piores filmes em competição nesta 9.ª edição.

The Bad Girl – 4/10

Screenshot 2015-09-04 16.11.43

Realizado por Ricardo Machado, The Bad Girl – que nos conta a história de uma mulher de alma perdida a confessar-se – é talvez a maior desilusão na secção competitiva. Começando bem com um lindíssimo plano geral gravado por um drone, a curta-metragem rapidamente cai numa espiral recessiva culminando no pior e mais amador desfecho possível. Nota-se que Machado se perdeu por completo no meio do seu próprio processo criativo no momento da escrita do argumento. Demasiadas ideias, demasiadas ambições. The Bad Girl torna-se algo quase fútil e feito com intenções de chegar a festival, em vez de pela mais óbvia e nobre vontade de apenas fazer filmes.

The Last Nazi Hunter 2 – 9/10

1eb96663-372c-49e1-9f49-50f1c240883c_zps1anphrll

Cheia de humor negro e com uma realização bastante dinâmica, The Last Nazi Hunter 2 foi a curta que mais risos despertou no público do São Jorge. Apesar de uma duração de apenas um quarto de hora, este trabalho de Carlos Silva é riquíssimo, contendo romance, ação, bastante divertimento e um twist final muito bem engendrado. Sem dúvida um dos grandes e mais completos candidatos ao prémio MOV MOTELx.

Texto de Ricardo Rodrigues e Sebastião Barata