O ISEG prepara-se para, no final de setembro, divulgar e premiar o que de melhor se faz no cinema sobre Economia e Gestão através do FICISEG: o 1º Festival Internacional de Cinema de Economia e Gestão.

Como se pode ler no site oficial, o festival tem como objetivo “fomentar e aumentar a produção Cinematográfica e diversificar a oferta cultural” da faculdade. O Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa vai assim abrir as suas portas ao público durante três dias, não só para oferecer uma programação rica e diversificada mas também para “dar a conhecer as suas instalações a um maior número de público.”

São três as competições que compõem o cartaz do FICISEGCurtas-Metragens, Documentários e Filmes Escolares. No total, a seleção oficial do evento conta com treze filmes que serão avaliados por um júri do qual fazem parte Rafael Marques (Professor de Ciências Sociais e coordenador do pelouro de cinema na área de Cultura e Sociedade do ISEG), Pedro Barroso (ator), Bruno Cativo (realizador e organizador do festival), Luís Branquinho (presidente da AIP Cinema e director de fotografia) e Paulo Peralta (autor do blogue Cineuphoria).

Na competição de Curtas-Metragens, destaca-se Branco, realizado por Luís Alves e protagonizado por Nuno Melo, um dos grandes atores portugueses dos últimos anos que faleceu recentemente, em meados de 2015. Entre as cinco curtas a concurso encontra-se ainda uma produção espanhola: Trato Preferente, de Carlos Polo, que aborda de forma divertida a crise financeira do nosso país vizinho.

Já nos Documentários, três dos quatro filmes apresentados são produzidos por universidades: um pela Universidade da Beira Interior e dois pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. E é da mesma Universidade Lusófona que vêm as quatro curtas que integram a competição Filmes Escolares, todas elas mostrando pequenos retratos da sociedade portuguesa atual.

Para além de todos estes títulos em competição há espaço para uma Mostra FESTin e uma homenagem a Manoel de Oliveira. Na primeira serão projetados cinco filmes (vindos de Portugal, Brasil, Cabo Verde e Moçambique), todos já passados no festival que celebra todos os anos a cultura lusófuna. Por sua vez, a homenagem que se pretende fazer ao Mestre do cinema nacional consiste na exibição de 1 Século de Energia, a sua derradeira obra, e a posterior entrega de uma Menção Honrosa ao mesmo.

Mas a programação do FICISEG não se fica só pelos filmes. Todos os dias decorrerão Master Classes no ISEG sobre variados temas ligados ao cinema. Tony Costa, diretor de fotografia, professor universitário e fundador Academia Portuguesa de Cinema (entre muitas outras funções), irá falar no dia 28 sobre custos, timings e organização de uma equipa de Imagem em Filme/Publicidade/Institucional, numa palestra que será completada pela amostragem de Lápis Azul, curta-metragem sobre a censura e cuja fotografia é assinada por Costa.

Segue-se Léa Teixeira, que sobe no dia seguinte ao palco do Auditório 2 para falar sobre a Produção e o “Como criar um festival de cinema”, tendo como base de conversa o FESTin, do qual é diretora. No derradeiro dia do evento, os conhecidos e premiados atores Pedro Barroso e Ângelo Rodrigues irão debater a gestão de início de carreira na área de representação em Portugal.

Tudo isto tem lugar no ISEG de 28 a 30 de setembro, não faltando portanto razões para visitar a 1.ª edição do FICISEG. As sessões dos filmes e as Master Classes decorrem, dias 28 e 30, no Auditório Caixa Geral de Depósitos e, a 29, no Auditório 2. A Sessão de Encerramento será no Salão Nobre, onde acontece um jantar e a entrega de prémios.