Regressando para a sua segunda edição, o festival LISB-ON Jardim Sonoro apresentou-se, este ano, com diversos nomes de peso do panorama eletrónico atual. Este sábado, foi a vez de o Parque Eduardo VII receber nomes como Nina Kraviz, Nicolas Jaar e Mirror People.

Depois de um início de tarde descontraído ao som de Isilda Sanches e do duo português Fandango, foi a vez de Mirror People, projeto de Rui Maia, subir ao palco do festival lisboeta. Agitando de imediato a plateia e apresentando-se em formato live act na companhia da sua banda, The Voyager Band, Rui utilizou os seus sintetizadores para colorir uma tarde solarenga e agradável. Já com a presença de Maria do Rosário, houve tempo para temas como Telephone Call, Foolish Man e I Need Your Love, o último single da banda, numa atuação centrada no disco de estreia do projeto, Voyager.

IMG_8753

Seguidamente, ocorreu a estreia de Palms Trax em Portugal. O jovem produtor britânico, muito aplaudido, atuou em formato live act, deixando o público a mergulhar na sua sonoridade house e techno, com oscilações constantes no número de batidas por minuto.

Sobre uma roupagem descontraída da sua deep house e minimal, Nicolas Jaar iniciou a sua atuação em formato dj set com Vampiros, tema de Zeca Afonso, gerando, de forma instantânea, um clima de empatia. O autor de Space Is Only Noise, não fugindo ao seu estilo particular, apresentou um set igualmente apimentado por uma sonoridade lenta e duradoura, ruidosa e experimental. Com uma plateia repleta de braços no ar e que o acolheu calorosamente, Jaar despediu-se, tendo protagonizado a melhor atuação do dia.

Nicolas Jaar, Lisb-on

Encerrando o primeiro dia do LISB-ON Jardim Sonoro, a produtora e DJ Nina Kraviz, uma cara familiar dentro dos clubes de dança portugueses, transportou o público para uma viagem que teve a acid house e o techno como principais destinos, num set que teve a duração de 3 horas.

Nina Kraviz, Lisb-on 2015

Fotografias de Beatriz Nunes.