A Ovelha Choné tornou-se nos últimos anos uma das personagens mais adoradas e carismáticas dos estúdios Aardman, e o salto do pequeno ecrã para a grande tela do cinema já se adivinhava, e parecia até lógico, dado o sucesso que teve junto de miúdos e graúdos. Esse salto concretizou-se este ano e, após a estreia na última edição do MONSTRA, A Ovelha Choné – O Filme chegou finalmente ao circuito comercial.

Esta primeira incursão da simpática ovelha e companhia no cinema leva as personagens ovinas, o simpático cão de guarda e o seu dono a abandonarem a quinta onde a série televisiva decorre para se aventurarem pela grande cidade, onde todos vão viver uma sucessão de acontecimentos insólitos.

O que motiva esta ida para o meio urbano? Ao início é a vontade do rebanho quebrar a rotina e passar uns momentos de diversão longe de tosquias, horários, rações, etc. Porém, o plano corre para o torto e o seu dono acaba por ir parar à cidade, numa acidente que o torna amnésico, cabendo à Ovelha Choné e companhia trazê-lo de volta para o lar. Esta cena inicial, que nos oferece uma adorável sequência de créditos onde vemos a juventude dos nossos heróis e como há uma grande relação afetiva entre os animais e o dono, é o único momento decorrido ainda na quinta, onde estão presentes todos os aspetos que já conhecemos da TV.

reasons_see_shaun_sheep_movie_3

Não se pense, contudo, que um novo palco de aventuras alterará a essência dos protagonistas. Apesar desta mudança de cenário, o humor caraterístico do programa e a criatividade na construção das várias peripécias dos nossos protagonistas continua patente. Aliás, com a ação a decorrer agora numa grande metrópole, há muitos mais sítios e oportunidades para se criarem novos episódios hilariantes. Desde logo aparecem novas personagens que nunca encontraríamos numa quinta, desde o tenebroso caçador do canil, que funcionará como o vilão do filme, até a um cão rafeiro que se juntará à Ovelha Choné para resolverem todas as situações com que se deparam.

Talvez a maior dificuldade com que Mark Burton e Richard Starzak, a dupla de realizadores e argumentista, se iriam deparar era estender os sete minutos que cada episódio televisivo tem e chegar à cinematográfica duração de hora e meia. Mas a experiência que ambos já têm dentro dos estúdios Aardman faz-se notar (consultando os seus currículos encontramos títulos como Wallace & Gromit, A Fuga das Galinhas e a própria versão de TV da Ovelha Choné), e conseguem fazer com que cada minuto do filme seja extremamente cativante e visualmente belo, graças a uma perfeita animação em stop-motion (onde, diga-se de passagem, se encontra uma portuguesa: Rita Sampaio, como assistente de animação sénior).

Shaun The Sheep Movie First Look Still

O fio narrativo é bem ritmado e traz-nos, para além do inteligente humor visual (não há quaisquer diálogos), alguns momentos surpreendentemente comoventes, como o desfecho que se dá ao cão rafeiro, e muitas referências a outros filmes e à cultura pop. Há muitos mais humanos nos cenários (de outra forma não seria uma representação fiel de uma grande cidade) e é com eles que, a dada altura, se faz uma interessante sequência onde fica implícita a ideia de que, com o grande uso das redes sociais e a divulgação cada vez mais rápida das novas tendências, somos nós que nos comportamos como um verdadeiro rebanho, seguindo cegamente o que está na moda sem conseguirmos pensar por nós mesmos.

A Aardman volta assim a oferecer-nos uma grande animação, cheia de divertidas sequências marcadas também pela excelente animação a que o estúdio já nos habituou. A Ovelha Choné – O Filme é o clássico exemplo de uma fita “para miúdos e graúdos” e é a forma ideal para a família inteira terminar o período de férias e iniciar mais bem-disposta esta rentrée.

8/10

Ficha Técnica
Título: Shaun the Sheep Movie
Realizador: Mark Burton e Richard Starzak
Argumento:  Mark Burton e Richard Starzak
Género: Animação, Comédia
Duração: 85 minutos