Os Peripécia Teatro levam o teatro de rua à aldeia de Coêdo, Vila Real, no dia 29 de agosto. O espetáculo chama-se Fardo e promete um encontro intergeracional e de partilha.

Fardo foi concebido a partir do jogo teatral da máscara, inspirado nos ritos mais primitivos da humanidade e dos rituais para-teatrais. Ao longo da peça são utilizadas as máscaras de madeira do Carnaval de Lazarim. A criação foi feita por Ángel Fragua, Noelia Dominguez e Sérgio Agostinho. A co-criação e direção é da responsabilidade de Hernán Gené. Àngel Fragua e Sérgio Agostinho são os intérpretes.

Ao público, apenas é pedido que leve um banco ou uma cadeira, uma manta, um copo e que no final fique a conversar com os atores.

O espetáculo está incluído no ciclo Lua Cheia, Arte na Aldeia, que tem o objetivo de dinamizar o mundo rural em 2015 e 2016. Para isso, foi aproveitada a referência da lua cheia no campo. Desta forma, pretende-se que seja possível o convívio entre os habitantes da aldeia e da cidade através da comemoração da natureza.