PLL

Pretty Little Liars: o final que deu que falar

Após cinco anos e 130 episódios, a famosa série Pretty Little Liars (Pequenas Mentirosas em Portugal, exibido no AXN White) revelou finalmente a identidade do vilão conhecido por A, no décimo episódio da sexta temporada, lançado nos Estados Unidos no passado dia 11 de Agosto. ATENÇÃO: o artigo contém spoilers de toda a série, em especial do referido episódio.

Para aqueles que não acompanham a série, Pretty Little Liars segue as vidas de quatro amigas – Aria, Spencer, Hannah e Emily – que, após o desaparecimento da sua líder Alison, começam a receber mensagens e ameaças por parte de uma fonte anónima que se dá a conhecer como A. A princípio, as raparigas acreditam que Alison está por detrás do jogo; no entanto, na quarta temporada, a jovem revela que está viva e que ela própria está a ser perseguida por essa entidade desconhecida.

Os produtores da série planeavam continuar a história até ao final da sétima temporada, a qual já está confirmada. No entanto, ao assistirem à frustração por parte dos fãs, aperceberam-se que a narrativa em si começava a ficar gasta e repetitiva, decidindo então adiantar a grande revelação. No episódio Game Over, Charles, as cinco jovens encontram-se finalmente cara a cara com, nada mais nada menos, que CeCe Drake.

CeCe Drakke, interpretada por Vanessa Ray.
CeCe Drakke, interpretada por Vanessa Ray.

Recuemos um pouco no tempo. CeCe (interpretada por Vanessa Ray) foi introduzida na terceira temporada e apresentou-se como amiga chegada de Alison, vista também como uma irmã mais velha para ela. As quatro personagens principais depressa ficaram surpreendidas com o seu aparecimento, sobretudo por AlisonCeCe revelarem imensas semelhanças a nível físico. Durante a sua estadia na série, CeCe tinha como objectivo investigar o desaparecimento de Alison, na esperança de esta ainda se encontrar viva – envolvendo-se, pelo caminho, com o irmão da desaparecida, Jason. A misteriosa personagem desaparece no início da quinta temporada quando viaja para Paris, após matar Darren Wilden – um polícia que estava a tentar culpar as quatro raparigas pelo desaparecimento de Alison.

Até aqui tudo bem. No entanto, na transição da quinta para a sexta temporada, as jovens descobrem que o famoso A é, na verdade, Charles DiLaurentis – irmão de Alison e de Jason. Sim, o choque da revelação começa exactamente por aí: CeCe nasceu como Charles e eventualmente realizou a transição de sexo. Este final intermédio – já que a sexta temporada será retomada em Janeiro – tenta responder a todas as perguntas, mas acabou por deixar os fãs com mais questões e frustrações.

Charles foi internado num hospício em criança, completamente abandonado pela sua família – daí AlisonJason não se lembrarem dele. Desde cedo o jovem se começou a identificar como pertencente ao sexo feminino. Uma das grandes falhas surge quando, através de flashbacks, a série revela Charles já como mulher, agora conhecida por Charlotte. Como é possível alguém realizar uma transição de sexo num hospício? E onde é que a personagem arranjou os meios para tal?

Charles abandonado no hospício em criança.
Charles abandonado no hospício em criança.

Com a ajuda da sua mãe – que a visitava de vez em quando -, Charlotte consegue sair do hospício e tem como objectivo conhecer os seus irmãos, mas sem revelar a sua verdadeira identidade. Recuamos então à terceira temporada, e o próximo choque não é difícil de adivinhar: Charlotte cometeu incesto ao namorar com o seu irmão Jason.

A personagem decide dar uso à sua nova liberdade adoptando a máscara de A, começando a atormentar as raparigas, com o pretexto de que estas aparentemente não eram “amigas verdadeiras” de Alison e por isso teriam que pagar. Toda esta trama se torna ridícula quando CeCe justifica as suas acções dizendo que “por muito mal que tivesse feito, ninguém morreu”.

O episódio tenta igualmente desvendar outros mistérios, conhecidos apenas por aqueles que seguem a série. Em primeiro lugar, é revelado que Marion Cavanaugh – mãe de Toby, namorado de Spencer – foi morta no mesmo hospício quando Charles ainda era criança. No entanto, na quarta temporada, Marion aparece viva num flashback que revela Toby e Alison já adolescentes. Surge aqui uma grave falha temporal que dificilmente encontrará perdão.

Marion está viva quando Alison é adolescente. No entanto, o episódio data a sua morte aquando a infância de Charles.
Marion está viva quando Alison é adolescente. No entanto, o episódio data a sua morte aquando a infância de Charles.

O episódio revela também que quem matou Bethany Young – uma rapariga que desapareceu no mesmo dia que Alison, cujo cadáver foi identificado como o de Alison – foi Mona Vanderwall. Mona foi o primeiro A durante as duas primeiras temporadas e sempre manteve uma relação de amor-ódio com as raparigas. No entanto, a jovem não apresenta qualquer razão plausível para ter morto Bethany e acaba por não pagar pelo seu crime. Esta parece ter sido só mais uma “resposta” formulada à última da hora.

Um dos grandes mistérios da série também se prende com a morte de Jessica DiLaurentis – a mãe desta família complicada. Charlotte revela que, nos seus dias de liberdade, encontrou o cadáver de Jessica e enterrou-o, mas os fãs acabam por não descobrir quem, de facto, assassinou a mulher.

Ao longo da série, surgem também duas personagens enigmáticas: Red Coat e Black Widow, que presumidamente eram o próprio A ou alguém que estivesse a trabalhar para ele. Este polémico final revelou que ambas as entidades pertencem a Sara Harvey – a personagem mais irrelevante que os produtores poderiam encontrar. Sara surgiu no início da sexta temporada como uma nova vítima dos ataques de A e começou a desenvolver uma relação homossexual com Emily. No entanto, para uma série com seis temporadas, torna-se um erro gigante atribuir duas das suas personagens mais enigmáticas a uma rapariga que apenas conhecemos há dez episódios. E porque é que Sara estava a ajudar Charlotte? Qual era o seu motivo para atormentar as raparigas? Onde é que as duas vilãs se conheceram? Mais perguntas para as quais os fãs não tiveram resposta.

Red Coat e Black Widow, ajudantes de A.
Black Widow e Red Coat, ajudantes de A.

Em suma, Game Over, Charles foi um episódio que falhou em todos os aspectos. Primeiramente, torna-se significativamente ofensivo associar uma personagem transexual a tópicos tais como doença mental, incesto e crime. Em seguida, há graves incongruências entre esta revelação e episódios passados, nomeadamente porque a estrutura física de A sempre foi exposta como masculina (uma estrutura forte e robusta), o que nos pode fazer pensar que esta foi uma solução criada em cima do joelho. Um episódio que prometeu respostas a todas as perguntas acabou apenas por criar desilusões, falhas ao nível da narrativa e questões pendentes. O episódio valeu apenas pelo momento em que Emily, em jeito de vingança, deu um murro a Sara.

Pretty Little Liars regressa em Janeiro e encontrará as cinco raparigas cinco anos mais tarde, após a graduação da faculdade. No entanto, a desilusão por parte dos fãs é notável nas mais variadas redes sociais, com muitos dizendo “Se esse salto temporal for tão interessante como este final, mais vale desistir já”.

NOTA: 2/10

  1. Olha,sinceramente eu esperava mais de Pll.Tudo bem A ser a irmã gêmea de Spencer mas não vi aquele final ”incrivel” que todos esperavam na revelação de A.D
    O decorrer da série estava mt bom mas esse final poderia ter sido mais espantoso,algo que realmente a gente se surpreenderia.

  2. Concordo. A série cria mistérios muito bons, porém depois não sabe solucioná-los devidamente. “Resolvem” todas as dúvidas, buracos em único episódio e criam outros no mesmo e ainda o tempo passa abruptamente. Tornando horrível a série inteira. Eu já estava cansada de assistir e não ter respostas, depois dessa estou desistindo de vez dessa série!

  3. Concordo absolutamente consigo, João, tirando o facto de que a transição de sexo da Charlotte não teve absolutamente nada a ver com os esquemas que arquitetou enquanto o enigmático A. É verdade que ela é uma rapariga extremamente transtornada e emocionalmente perturbada devido à negligência que lhe fora atribuída pelo pai, mas ela só “roubou o jogo” aquando a estadia da Mona em Radley. O que sejamos sinceros, atormentar estas raparigas apenas porque não andaram de luto pelo desaparecimento da Alison é completamente ridículo. Sendo assim, deveria ter infernizado a vida de todos os estudantes no liceu de Rosewood, já que Alison era tão desprezada nos velhos tempos devido à sua malicia irreversível. No entanto, Vanessa Ray merece os parabéns, a sua atuação verdadeiramente versátil merece todo o mérito possível. Contudo, como você mencionou são muitas as falhas de narrativa, e de tão gasta e repetitiva que a fórmula do roteiro se tem tornado ao longo da série, o excesso de revelações num só episódio e as soluções pouco ou nada plausíveis, acabaram por retirar qualquer tipo de coerência a esta série. Sara Harvey além de ser interpretada por uma atriz medíocre, é a personagem mais unidimensional e desinteressante que os produtores desta série nos introduziram e parece-me que lhe atribuíram como a cara por detrás do véu negro e da máscara da Alison apenas para nos proporcionarem “shock value”. Já para não mencionar que por mais que simpatizasse com Charles em miúdo e ate mesmo um pré-adolescente não quer dizer que desculpasse as atitudes macabras para com as Liars.

  4. Achei o episódio um lixo. Se perderam de tanta historias, acontecimentos e pístas que fizeram e nenhuma delas realmente foi de significância. Sem falar nos erros temporais e contradições. Além dos produtores mentirem para todos os fãs que fizeram teorias de cece ser trans e ser charles, um deles falou que isso nao iria ser feito na serie por conta dos fãs não souberem interpretar. Realmente, acho Marlene King uma péssima escritora. A série que tinha TUDO pra dar certo e deu tudo errado. Além de nao explorarem os personagens mais misteriosos e cheios de segredos, substituindo-os por personagens novos insignificantes e de pouca afinidade com o publico. Nada surpreendente,

  5. vocês deveriam prestar mais atenção aos episódios. Primeiro que charlotte ser transexual não tem nada a ver com a doença dela e eles deixaram isso beeem claro. Segundo que o motivo dela é totalmente compreensível, levando em conta ela está doente, assim como Mona estava. Terceiro que se você prestar atenção no episódio 4×01 você perceberá que eles já tinham nos falado que RD(da noite do incêndio) e BW eram a mesma pessoa. E red coat é uma personagem iconica sim e a revelação de quem era foi iconica tbm, pq quem era RC era Alison e Cece, Sara só usou algumas vezes, ela não é a RC original. E quarto que Mona não matou Bethany, Melissa quem matou. Mona acertou a pá na Bethany pq pensou quer era a Alison.
    Assista aos episódios com atenção, por favor –‘

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Carolina Deslandes - Mulher
À Escuta. Carolina Deslandes lança um alerta em nome das mulheres