É melhor que as receitas das chamadas de valor acrescentado estejam a compensar. A emissão de ontem do Portugal em Festa arrastou a SIC para o fundo da tabela de audiências e para um dos piores registos do ano.

O programa apresentado por João Baião marcou a pior audiência média do ano, com 2,6%. O share desceu aos 9,5% durante seis horas de emissão e, em alguns momentos, chegou a tocar nos 5%.

RTP1 e TVI partilharam a liderança no horário, com a estação pública a ver o Só Visto! registar o melhor resultado do ano – 6,7% de audiência média e 22,6% de share – e a ter o final da etapa da Volta a Portugal (5,6% / 22%) a agarrar-se ao primeiro lugar de forma praticamente ininterrupta.

Do lado de Queluz, o Somos Portugal (5,2%/ 19,1%) esteve longe dos seus melhores resultados, mas ganhou das 14h30 às 16h00 e no final da sua transmissão, a partir das 17h50, quando iniciou a emissão de Tony Carreira: 25 anos (4,2% / 15%), na RTP1.

O cinema na RTP2 alcançou o melhor resultado do ano: Roxy Hunter e o Segredo do Xamã marcou 1,5% de audiência média e 5,6% de share, aproximando-se da SIC por longos minutos.

gráfico

‘A Única Mulher’ bate recorde de share

A novela passada em Angola registou 14,6% de audiência média e 34,7% de share, alcançando a melhor quota de mercado desde a sua estreia. Às 22h34, no melhor minuto do dia, bateu os 17,1% de audiência média e 39,3% de share.

Sem hipótese ficou Não Há Crise, com 8% de audiência média e 19,1% de quota de mercado, que acabou por alastrar os maus resultados para o final do horário nobre. O Ídolos marcou a pior audiência desde a estreia, com 5,2% de audiência média e 18,3% de share, liderando apenas a partir do momento em que competia com a repetição de Dança com as Estrelas 2 (3,5% / 16,6%), na TVI.

Entre os generalistas, vantagem para a TVI com 21%, seguida pela RTP1 com 15,7% e pela SIC com 14,8%. A RTP2 ficou-se pelos 2,3%, sendo ultrapassada pelo Hollywood, que marcou 3%.

A soma dos Canais Cabo (34,3%) e Outros (12%) alcançou um volumoso resultado de 46,3% de share.

Os dados são da GfK/CAEM.