Os samples há muito que se tornaram parte integrante da música. Uns bem aproveitados, outros nem tanto. Alguns devidamente autorizados, outros completamente ilegais, a verdade é que seria muito difícil imaginar a evolução da música até aos nossos dias sem o aproveitamento de partes de canções mais antigas para outras posteriores. O número de samples é interminável, mas o Espalha-Factos preparou uma lista com dez temas que atravessam o espectro da música do pop à soul passando quer pelo rap, quer pelo rock e que viajam a partir da década de 60. Conhece as canções em baixo e, quem sabe, talvez até te surpreendas com algumas das nossas escolhas.

Etta James – Something’s Got A Hold On Me (1962)

Esta é um dois em um. A música original é de Etta James, madrinha do R&B e que supostamente não precisaria de introduções visto que está no Rock n’ Roll Hall Of Fame e no Blues Hall of Fame. Mas a verdade é que, quando Flo Rida usou a sua voz, pouca gente a reconheceu. Pouco depois de esta música se tornar um dos hits do verão de 2011, pela mão de Flo Rida, foi Avicii quem teve a mesma ideia, ainda que com menos sucesso do que o artista de hip hop norte-americano. Curiosamente, Etta James acabou por falecer no início de 2012. O facto de os dois músicos terem usado a sua voz não a deve ter chateado muito, uma vez que sofria de Alzheimer desde 2008.

http://www.youtube.com/watch?v=_4RZSt4A3jU

http://www.youtube.com/watch?v=3OnnDqH6Wj8

http://www.youtube.com/watch?v=_ovdm2yX4MA

Duke Ellington e John Coltrane – In a Sentimental Mood (1963)

Continuamos pelos anos 60 e falamos agora de dois pilares do jazz. A disparidade de estilos pode assustar mas já devemos estar mais do que habituados a que artistas de Hip Hop usem todo o tipo de músicas de outras épocas. Por isso, não será surpresa quando disser que este hino do Jazz vale pela maior parte da música. Ainda assim, Mac Miller não deve deixar de ter crédito pela inteligência e visão que muitos destes artistas têm ao escolher os seus samples.

http://www.youtube.com/watch?v=sCQfTNOC5aE

http://www.youtube.com/watch?v=sCQfTNOC5aEhttps://www.youtube.com/watch?v=KlQESTshOPw

 

Chi-Lites – Are you My Woman? (1970)

Provavelmente, a mais conhecida da lista. Os Chi-Lites foram uma das maiores bandas de soul dos anos 70 e a música da qual foi usado o sample chegou a atingir o top 10 dos Estados Unidos durante uma semana. Mas, na sua reencarnação, chegou às oito semanas seguidas no primeiro lugar. Quando lhe perguntaram como a sua música era tão viciante, Beyoncé terá dito que era pelo groove e o sentimento antigo que esta transmitia. Só se esqueceu de dizer que, quando dizia “sentimento”, queria dizer “sample”.

http://www.youtube.com/watch?v=IEZAC9B7MFQ

http://www.youtube.com/watch?v=ViwtNLUqkMY

 

Edwin Birdsong – Cola Bottle Baby (1979)

Voltamo-nos agora para o funk dos anos 70 e para um dos estandartes da eletrónica, Daft Punk. Muitas das músicas da dupla francesa têm esta característica, como One More Time, Digital Love, Technologic: encontrar em algumas músicas, particularmente da época do funk e do início do disco, uma componente para criar singles viciantes.

http://www.youtube.com/watch?v=Z3AKrwna2C8

http://www.youtube.com/watch?v=GDpmVUEjagg

 

Electric Light Orchestra – Last Train To London (1979)

As Atomic Kitten foram um de vários grupos femininos que aproveitou a boleia do fenómeno Spice Girls. Este Be With You, foi um dos êxitos do grupo, maioritariamente nas pistas de dança. Contudo, o instrumental usado no tema há muito havia sido criado. É, aos igualmente britânicos, Electric Light Orchestra que se deve todo o mérito e mais algum. Uma escuta a Last Train To London, a canção de onde as Atomic Kitten retiraram o sample,e  é difícil ficar-se indiferente à união harmoniosa dos sintetizadores com instrumentos clássicos como o violoncelo ou o violino.

http://www.youtube.com/watch?v=Up4WjdabA2c

http://www.youtube.com/watch?v=FrFQlMM_ZyM

 

Bronski Beat – Smalltown Boy (1984)

Os anos 80 ficaram conhecidos pela maior abertura das causas minoritárias, na a música no geral. E os Bronski Beat em particular ajudaram a quebrar o gelo relativamente à discussão da homossexualidade. Tanto Jimmy Sommerville como os restantes membros da banda eram defensores da causa e mostravam sem preconceitos essa posição nas músicas e nos videoclips. Trinta anos depois de Smalltown Boy ter surgido pela primeira vez, Brandon Flowers resolveu pegar na famosa melodia do tema e dar-lhe uma nova vida… e uma nova mensagem. Aqui a solo, o vocalista dos The Killers quis provar que é capaz de mudar e de fazer os impossíveis para agradar à rapariga dos seus sonhos. Apesar disto, os Bronski Beat não se devem sentir arrependidos. O espírito da synthpop da época está lá e soa bem do início ao fim.

http://www.youtube.com/watch?v=Xuz94ZIPfJk

http://www.youtube.com/watch?v=7FmPEoC7vg4

 

Steve Winwood – Valerie (1987)

No vídeo que complementa Call On Me há de tudo. Seios, rabos, posições provocadoras. Só não há uma coisa: uma canção original. É pena que, no único êxito mundialmente conhecido de Eric Prydz, isso não tenha acontecido. Quem ficou a ganhar foi um artista que toca sete instrumentos e criou músicas que vão desde o Rock até ao Jazz. O seu nome? Steve Winwood. E foi graças a Valerie que Eric Prydz foi buscar a peça que precisava para completar o seu hit.

http://www.youtube.com/watch?v=RriQt0ebFaw

http://www.youtube.com/watch?v=L_fCqg92qks

 

Martika – Toy Soldier (1989)

Sim, este é daqueles casos em que a maior parte das pessoas vão ouvir e dizer: “Então é daqui que o refrão vem?”. De facto, quando Eminem lançou Like Toy Soldiers, poucos foram aqueles que se lembraram de que o refrão tinha sido tirado de uma canção de Martika, uma cantora com uma voz a fazer lembrar os coros de igreja. A letra da canção original remete para a destruição que o consumo de estupefacientes pode provocar nas pessoas e nos núcleos que as rodeiam. Aliás, Martika escreveu esta música em homenagem a um amigo que lutava contra o vício da cocaína. Contudo o poder da letra é tão grande que pode ser usado para outros significados. Foi o que fez Eminem, ao criar um tema que apela ao fim das guerras entre rappers e entre editoras.

http://www.youtube.com/watch?v=LvdLovAaYzM

http://www.youtube.com/watch?v=lexLAjh8fPA

 

Najat Atabou – Hadi Kedba Bayna (1992)

Muitos têm sido os êxitos dançáveis cujos instrumentais foram apropriados de músicas oriundas das arábias. No passado, era mais difícil dar-se de caras com a origem dos samples, mas a internet veio mudar as regras do jogo. Hoje, tudo se sabe. Quando os Chemical Brothers lançaram Galvanize, em 2005, rapidamente se descobriu que o duo inglês se apropriou de uma parte de Hadi Kedba Bayna, um tema da cantora marroquina Najat Atabou. A polémica durou pouco tempo. Galvanize ficou responsável pelo regresso triunfante do grupo à música após vários anos de interregno e ainda hoje é recordada como uma das bandeiras da música electrónica da primeira década dos anos 2000.

http://www.youtube.com/watch?v=P7Srkkc0iGU

http://www.youtube.com/watch?v=Xu3FTEmN-eg

 

Aphex Twin – Avril 14th (2001)

Kanye West é o rei dos samples, tanto em quantidade como em influência. Neste momento, são já quase mil pedaços de músicas que foram colocados em músicas do norte-americano e conseguiu a proeza até de ‘samplar’ os próprios Daft Punk em Stronger. Podem dizer nomes que todos os maiores singles de Yeezus tiveram “inspirações”, se é assim que se podem chamar. A curiosidade sobre este tema é o facto de Aphex Twin ter confrontado Kanye por o rapper nem ter agradecido quando Aphex o ajudou a reeditar a sua música. O rapper terá dito que  Blame Game era sua criação e que Twin não tinha a ver com isso.

http://www.youtube.com/watch?v=MBFXJw7n-fU

http://www.youtube.com/watch?v=vt0Diud2z0w

Artigo redigido por: Pedro Afonso Afflalo, com colaboração de Diogo Camilo