À segunda é de vez. Os TOY e os Clinic vieram ao Hard Club, no sábado passado, consolar os fãs pela ausência no festival, há dois meses, depois de terem ficado retidos em Inglaterra devido à greve de pilotos da TAP.

Contra todos os azares, como o Espalha-Factos reportou, a Ilha dos Flamingos, organizadora da 1.ª edição do Indouro Fest, conseguiu oferecer uma bela noite de concertos no sábado passado, onde puderam estar presentes com preço especial os portadores do bilhete do festival mas também outros fãs das bandas que quisessem assistir ao concerto. Ainda assim, a noite não teve a adesão que se esperaria, mas o que importa mesmo foram os belíssimos concertos que decorreram.

Quando entrámos no Hard Club já os portugueses Eat Bear, convidados para o aquecimento da noite, apresentavam os argumentos que fizeram deles finalistas do Concurso Nacional de Bandas 2015. O garage rock tomou conta do palco enquanto o público se ía juntando nas primeiras filas para receber os TOY.

Debaixo de cores quentes a banda de Brighton alinhou-se na frente do palco deixando lá atrás apenas o baterista. O andrógeno vocalista Tom Dougall, sempre afastando de si as atenções, foi cantando os temas dos dois registos de originais da banda. A viagem psicadélica fez-se precisamente alternando temas do homónimo disco de estreia e de Join The Dots, de 2013.

Puderam ouvir-se Dead & Gone, Kopter, Heart Skips a Beat e Motoring, alguns dos temas mais conhecidos da banda, mas houve ainda lugar à apresentação de duas novas canções apresentadas timidamente por Tom: Jungle Games e Dream Orchestrator, a incluir no novo disco que se adivinha mais luminoso.

A passagem de testemunho para os conterrâneos Clinic deu-se por volta da meia noite quando em palco entraram de bata e máscara os autores de Internal Wrangler (2000), que se estrearam em Portugal. Com música nada assética – misturam o rock psicadélico com punk, garage e noise com toadas pop aqui e ali – mas cirúrgicos junto do público que entusiasticamente respondeu à música da banda de Liverpool.

Com sete álbuns de estúdio apresentaram uma espécie de best of onde não faltaram T.K., Harvest (Within You), a fabulosa Porno ou See Saw.

No primeiro encore, 2/4  e Children of Kellogg faziam crer que este tinha sido um concerto memorável mas num segundo regresso ao palco, com The Return of Evil Bill fez o público do Hard Club sair com a certeza de que há males que vêm por bem e que os concertos de TOY e Clinic, em sala fechada e sem chuva, foram de facto uma boa compensação para os azares do Indouro Fest.