Lisboa vs Porto

Lisboa vs Porto: Tejo vs Douro

Lisboa e Porto, duas cidades que desde sempre andaram em guerra. A menina e moça nunca foi à bola com o ar grave e sério da mulher do norte e vice-versa. O que vale é que lisboetas e portuenses acabam as discussões regionalistas num qualquer café da esquina a beber uma bela cerveja, ou se preferirem, uma imperial ou um fino, porque afinal de contas somos todos gente da mesma terra.

No primeiro sábado de cada mês o Espalha-Factos passa a ser o campo de batalha para um confronto mensal entre duas belíssimas cidades portuguesas. Nesta guerra de regiões, palavras, fotografias e vídeos são as únicas armas permitidas. A vitória!? Será decidida por ti através dos teus comentários.

Neste mês debruçamo-nos sobre os dois rios que correm por estas duas cidades, conferindo-lhes um encanto distinto. Contudo que história há por detrás do Tejo e do Douro? O Espalha-Factos vai-te falar um pouco destes dois cursos de água, bem como de algumas atividades que podes fazer à beira rio em ambas as cidades.

O Rio Tejo

RioTejo-748x498

O Rio Tejo nasce na serra de Albarracín, em Espanha, e percorre 1007 km até banhar a capital portuguesa. É considerado o rio mais extenso da Península Ibérica e os nuestros hermanos chamam-lhe rio Tajo.

É o Tejo que separa Lisboa da Margem Sul. No entanto, há duas pontes que unem as suas margens: a Ponte 25 de Abril (antiga Ponte Salazar) que liga Lisboa a Almada e a Ponte Vasco da Gama que liga Lisboa a Alcochete. Esta última é a ponte mais longa da Europa e a nona mais extensa do mundo.

Foi o rio Tejo que serviu de ponto de partida para os descobrimentos portugueses – crê-se que foi a partir da Ribeira das Naus que saíram as embarcações que descobriram o caminho marítimo para a Índia, a costa africana e o Brasil. O Terramoto de 1755 é também um dos marcos incontornáveis da história de Lisboa e de Portugal devido à destruição quase completa de uma grande parte da capital. A reconstrução da cidade foi largamente incentivada pelo Marquês de Pombal, sendo a baixa pombalina uma das obras mais destacadas.

Um dos ex-libris da cidade, o Cais das Colunas, foi também construído nessa altura. Os dois pilares são de inspiração maçónica e pretendem representar as colunas do Templo de Salomão. Este cais serviu para o desembarque da rainha Isabel II na sua visita a Portugal, em 1957.

A marginal é o lugar preferido para o descanso dos turistas. Os bares, cafés e restaurantes servem coisas tão variadas que vão desde pizza à tradicional ginjinha e ao pastel de Belém. É frequente ver pessoas a correr e a andar de bicicleta pela marginal. Os passeios em embarcações turísticas também são populares assim como as visitas aos monumentos emblemáticos da capital, como o Padrão dos Descobrimentos.

Rio Douro

reveillon_douro

O Rio Douro é um dos principais rios da Península Ibérica, a sua nascente situada nos picos da Serra do Urbião, na província de Soria, no norte de Espanha, a mais de 2000 metros de altitude. Com 927Km de comprimento, é o terceiro rio mais extenso da Península Ibérica. A origem do seu nome vem do latim Durius, que poderá ter vindo das tribos celtas que habitavam a região antes dos tempos romanos.

A Região Vinhateira do Alto Douro foi considerada pela UNESCO como Património Mundial a 14 de dezembro de 2001. Antigamente, o famoso Vinho do Porto era transportado ao longo do rio em barcos de fundo plano, chamados rabelos, para armazenamento nas caves de Vila Nova de Gaia. Contudo, à medida que barragens foram sendo construídas ao longo do rio durante os anos 50 e 60, esta forma tradicional de transporte foi abandonada.

A foz do Douro situa-se tanto na cidade do Porto como de Vila Nova de Gaia, sendo a fronteira que divide as duas cidades. Seis pontes possibilitam a travessia entre ambas as cidades, sendo elas a Ponte D. Luís, a Ponte do Freixo, a Ponte D. Maria, a Ponte do Infante, a Ponte da Arrábida e a Ponte de São João. A zona da Ribeira, no lado do Porto, e o cais de Gaia são excelentes pontos turísticos, onde as pessoas se poderão maravilhar com as vistas únicas de cada uma das cidades.

O Rio Douro é na verdade uma fronteira entre duas vertentes tão distintas, mas que ao mesmo tempo se complementam. Para quem gosta de uma visita ao passado e de um serão mais tradicional, o cais da Ribeira é a escolha ideal, com os seus vários restaurantes à beira-rio e a possibilidade de um bom passeio junto aos edifícios rústicos que parecem contar uma história. Para aqueles que preferem apreciar a vista da Ribeira de longe e ao mesmo tempo visitar uma zona mais moderna e ainda ter a possibilidade de visitar as Caves do Vinho do Porto, o cais de Gaia vai fazer as delícias de qualquer um.

Texto da autoria da Alfacinha  Inês Chaíça e do Tripeiro Tiago Costa.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cristina Ferreira
Petição de Cristina Ferreira contra cyberbullying ultrapassa 35 mil assinaturas