A programação do 32.º Festival de Almada já está disponível. São 27 espetáculos em 54 sessões, para além de muitas outras atividades, a decorrer de 4 a 18 de julho. O Espalha-Factos decidiu fazer uma seleção de seis peças a não perder: entre metamorfoses, um clássico, a exploração de uma catástrofe, uma peça que pode vir a pisar o risco, uma história de amor e uma homenagem, há escolhas para todos os gostos.

1. King Size

Com encenação de Christoph Marthaler, King Size conta a história de um casal de cantores que partilha a sua cama king size ora com um pianista careca, ora com uma inquietante velhinha. Um espetáculo de teatro que é também um recital sobre evolução e metamorfose. Segundo o programa, o “mestre da lentidão, da ironia e do distanciamento” serve-se de uma técnica de composição musical que permite escrever um mesmo som, com a mesma altura, de duas formas diferentes. A interpretação ficará a cargo de Bendix Dethleffsen, Michael von der Heide, Nikola Weisse e Tora Augestad. Dia 4 de julho, às 22h00, na Escola D. António da Costa, em Almada.

2. Hamlet

Desde que Sophia de Mello Breyner ofereceu um exemplar da tradução que fez de Hamlet, de Shakespeare, que Luís Miguel Cintra deseja levar o clássico a palco. Numa co-produção que junta, pela primeira vez, o Teatro da Cornucópia e a Companhia de Teatro de Almada, o príncipe será representado por Guilherme Gomes, que partilhará o palco com o próprio encenador e restante elenco. Existem duas sessões marcadas para os dias 5 e 7 de julho, às 21h00, no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada.

3. Os Acontecimentos

A partir do caso mediático de Anders Breivik, que matou 77 pessoas em 2011, na Noruega, David Greig escreveu Os Acontecimentos. A peça, encenada por Creig e António Simão, tem como personagem principal, uma sobrevivente do tiroteiro ocorrido durante o ensaio do coro local, que quer compreender melhor a tragédia a que assistiu. “Sempre que alguma coisa terrível acontece surge a insistente pergunta: porquê? (…) Para tal, [Claire] inicia uma série de entrevistas às pessoas com as quais o atirador tinha uma relação – família, amigos e políticos de extrema-direita a quem se tinha associado.” Com oito sessões marcadas, decorre de 8 a 11 e de 14 a 17 de julho. As três primeiras e as três últimas sessões têm início às 19h, as restantes (dia 11 e 14) às 16h, no Teatro da Politécnica, em Lisboa.

4. Devoração

Esta criação coletiva do Théâtre du Balèti conta com a encenação de Maxime Franzetti, que acredita num teatro total que significa frequentemente o ultrapassar da zona de conforto dos espetadores. Esta peça dá vida a uma história sobre o impulso consumista que, sendo muitas vezes não mais do que uma forma de preencher o vazio existencial, leva as pessoas a destruirem e digerirem muito para além daquilo que é necessário. Devoração está em palco dia 10 de julho, às 22h, na Escola D. António da Costa, em Almada.

5. Kafka Apaixonado 

Esta peça de Luís Araújo, com encenação de José Pascual, conta a história dos encontros e desencontros entre Kafka e Felice Bauer. Bauer era uma mulher moderna para a época, directora de uma empresa em Berlim, financeiramente independente e muito viajada. Estiveram noivos várias vezes, mas a relação acabou por não resistir à impressão de Kafka de que uma vida burguesa, confortável, seria incompatível com a sua ânsia de criar”, lê-se em comunicado de imprensa. A decorrer dia 17 de julho, às 18h, no Fórum Romeu Correia, em Almada.

6. Programa de Homenagem ao Ballet Gulbenkian

O Ballet Gulbenkian é uma memória para sempre presente na dança em Portugal. Treze gestos de um corpo, Será que é uma estrela?, Minus 16 e Twilight pretendem evocar o seu repertório e individualidades indissociáveis. Com uma duração de 2h (c/dois intervalos), as duas sessões marcadas decorrem dia 17 e 18 de julho, às 21h30 e 19h respetivamente, no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada.

A Assinatura do Festival de Almada tem um preço de 70€ geral (60€ para amigos do TMJB e 40€ para jovens) e permite entrada em todos os espetáculos realizados no Palco Grande da Escola D. António Costa, na Sala Principal do Teatro Municipal Joaquim Benite e no Fórum Romeu Correia. Nas restantes salas, o acesso livre está dependente dos lugares disponíveis. Para mais informações, basta contactares o site oficial do 32.º Festival de Almada.