Face à pouca afluência de pessoas às salas de cinema, várias empresas americanas estão a pensar em vias alternativas para contrapôr este facto. Uma destas ideias passa por “transformar” as salas de cinema em autênticos salões de videojogos e outras formas de entretenimento. 

Segundo dados oficiais da Motion Picture Association of America o número de pessoas que se desloca aos cinemas, nos Estados Unidos e no Canadá, tem vindo a descer significativamente. Os números indicados, entre 2004 e 2014, passaram de 1,5 mil milhões para 1,27 mil milhões.

Com o intuito de atrair novos clientes, as grandes salas de cinema estão a estudar várias alternativas para aumentar estes números. Uma das ideias, segundo o jornal LA Times, consistiu numa parceria entre a Cinemark e a Coca-Cola para uma festa de apresentação do jogo online League of Legends – um dos nomes mais reconhecidos dentro da indústria de videojogos.

“Muitas das pessoas que vão ao cinema são jogadoras [de videojogos] e queremos tornar os nossos cinemas em lugares de visita obrigatória para elas”, afirma James Meredith, diretor de comunicação da Cinemark, ao LA Times.

Como as principais despesas ficam do lado de quem aluga os espaços, os cinemas estão cada vez mais a apostar nesta tendência. A título de exemplo, a empresa Super League Gaming, um dos clientes da AMC, organizou uma competição de videojogos nas salas de cinema que durou seis semanas. Para poder participar neste evento, cada participante pagou 20 dólares por duas horas de sessão, com o custo de venda a ser dividido pela cadeia de cinema e a Super League Gaming.

Para além disto, as cadeias de cinema também estão a aproveitar as horas com menos movimento, principalmente as manhãs e as tardes durante a semana, para transmitir, em digital, alguns concertos, espetáculos e emissão de grandes eventos desportivos.