Blacksad, com argumento de Juan Díaz Canales e desenho de Juanjo Guarnido, trata-se de uma série de banda desenhada, criada especialmente para o mercado francês, que acompanha John Blacksad, um detetive privado.

O volume 1, Blacksad: Algures entre as sombras, apresenta o protagonista e segue a investigação do assassinato da famosa actriz Natalia Wilford, com quem Blacksad se envolveu na altura em que trabalhava como seu guarda-costas. Um autêntico policial negro norte-americano.

Revelado em França em outubro de 2002, foi bem recebido pelo público e pela crítica, tendo sido distinguido como Melhor Obra e Autor Revelação na 19ª edição do Sálon del Comic de Barcelona. Foi ainda nomeado na categoria Coup de Coeur no Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême, o mais importante certame europeu da especialidade.

“Por vezes, quando entro no escritório, tenho a sensação de caminhar sobre as ruínas de uma velha civilização, não tanto pela desordem que aí reina, mas decerto porque isso me traz à memória vestígios do ser civilizado que outrora fui.”

A narrativa situa-se na América dos anos 50, num ambiente noir, com um estilo cinematográfico bastante negro, em virtude das linhas realistas. A caraterística mais original recai no facto de todas as personagens serem animais antropomórficos, cuja espécie reflete o seu caráter. Johnblacksad01-por Blacksad é um gato preto, embora tenha alguma pelagem branca.

Existem alguns estereótipos, uma vez que quase todos os agentes de autoridade são canídeos ou raposas, enquanto as personagens do submundo, isto é, marginais, são répteis ou anfíbios. Além de Blacksad, existem mais duas personagens com algum destaque: Smirnov, um inspector da polícia que ajuda John nas suas investigações, e Weekly, uma doninha-anã, que trabalha como jornalista sensacionalista e que, ocasionalmente, atua como sidekick do protagonista, embora só apareça a partir do volume 2.

Blacksad é sem dúvida uma série a não perder para os amantes da arte dos quadradinhos. O desenho do volume 1 é excecional, com a utilização de sombras dramáticas, cenários noturnos e interiores sombrios. A paleta de cores é predominantemente constituída por tons castanhos, de aspeto cinzento e lamacento, com a aparição de tons mais frescos e vistosos (como o rosa, amarelo, verde e azul) em cenas idílicas, como as representadas nos primeiros flashbacks de Blacksad, e do preto e vermelho, em cenas sombrias, de suspense ou ação.

No que diz respeito ao argumento, não é especialmente criativo e, por vezes, as pistas aparecem demasiado facilmente, mas não deixa de ser original e cativante pela ideia de que cada ser humano tem um animal dentro de si, o reflexo da sua verdadeira essência. O desenho acaba, assim, por se destacar como a razão mais forte para o sucesso do volume 1, em virtude do plot se revelar interessante mas demasiado curto.

Blacksad – Algures entre as sombras apresenta-se como uma leitura bastante fácil e agradável, embora a sua duração dependa mais do tempo que dedicamos às imagens do que ao texto. Uma história de luxúria, amor e ódio, vingança e corrupção, que representa o mundo nu e cru, como uma selva onde impera a lei do mais forte.

“Esta história imprimira em mim um travo de amargura. Sentia-me envolvido numa atmosfera viciada pelo ódio, pela vingança e pela corrupção… Agora, estava condenado a sobreviver neste mundo: uma selva onde o grande devora o pequeno, onde os homens se comportam como animais. Tinha enveredado pelo caminho mais sombrio da vida… E por aí teria de prosseguir.”

Nota: 7/10

Ficha Técnica

Título Original: Blacksad: Quelque part entre les ombres

Argumento: Juan Díaz Canales

Desenho: Juanjo Guarnido

Editora: Edições Asa

Páginas: 50

Preço: 15,50€