O músico brasileiro Seu Jorge foi acusado de plágio e o caso já está a ser julgado no Rio de Janeiro. De acordo com a imprensa brasileira, Rodrigo Freitas, mais conhecido como Kiko, o seu nome artístico, diz que Seu Jorge se apropriou ilegitimamente de seis músicas escritas por si e por Ricardo Garcia.

As alegações referem-se aos temas Carolina, Tive Razão, Chega no Swing e Gafiera S.A.. Kiko diz ainda que existem duas outras músicas da autoria da dupla composta por si e por Ricardo Garcia que foram registadas em nome de Seu Jorge, mas que ainda não foram gravadas. She Will e Não Tem são as canções.

Ricardo Garcia afirma que criou em 1999 um grupo com o nome Gafiera S.A., com intenção de com ele gravar um disco e fazer concertos.

Seu Jorge terá sido convidado pelo duo para participar no álbum como cantor e terá ficado a conhecer as músicas no estúdio em Brasília, a capital do país.

O projeto teve vários contra-tempos, interrupções e adiamentos, mas, de acordo com a acusação, Seu Jorge terá pedido uma cópia dos temas gravados.

Cerca de um ano e meio depois, Rodrigo Freitas ficou surpreendido ao ver a cantora Paula Lima a cantar, na televisão, a faixa Tive Razão. Resolveu investigar, e descobriu que as canções que diz serem da sua autoria tinham sido registadas por Seu Jorge na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Rodrigo Freitas fez então o registo das mesmas músicas, para obrigar a Biblioteca Nacional a investigar as origens e a verdadeira autoria das canções em questão. Kiko afirma ter “provas contundentes” de que escreveu as letras dos temas.

Os representantes de Seu Jorge apenas comentaram que a investigação estava a decorrer e que esperavam que fosse feita justiça.

Rodrigo Freitas pede uma compensação pelas perdas materiais com os direitos de autor das músicas e também pelos danos morais alegadamente infligidos.