A chegada do Apple Music vai trazer movimentações no mercado dos streamings musicais. O Spotify reage já ao lançamento da concorrência e prepara-se para uma política de preços mais agressiva, não deixando que a companhia liderada por Tim Cook tome a dianteira.

A marca da maçã, que promete um mercado completamente aberto para todos os artistas que quiserem colocar a sua música no serviço, tenta distanciar-se da concorrência pelo preço. 9,99 dólares de subscrição mensal para os utilizadores individuais e um pacote familiar (válido para até seis pessoas) que custa 16,99 dólares por mês.

Os suecos do Spotify reagiram dizendo que já têm pacotes similares em alguns mercados e que pretendem manter uma oferta competitiva a este nível em todos os países onde operam, sendo aguardados ajustes às tabelas praticadas atualmente.

O exemplo dado ao The Verge por Jonathan Price, responsável pela comunicação e relações públicas do atual líder de mercado, foi um pacote similar ao da Apple já comercializado na Suécia: 20 dólares para cinco pessoas. Esta modalidade deverá ajustar-se para valores mais próximos aos da concorrente que, recordamos, não tem qualquer tipo de serviço freemium.

O Spotify acaba de atingir a marca dos 75 milhões de utilizadores em todo o mundo, cerca de 90% de quota de mercado. Destes, 20 milhões são pagantes e utilizam a modalidade Premium.