Não é muito comum uma marca ter uma abordagem para uma estratégia de promoção capaz de, por exemplo, ser transportada para o circuito dos festivais de cinema. A EDP vem agora comprovar que este caminho pode ser percorrido.

1 Século de Energia. É esta a nova campanha institucional da EDP que contou com a realização de um documentário, com o mesmo nome, assinado pelo falecido realizador Manoel de Oliveira.

Trata-se do único trabalho de índole comercial com o qual o realizador portuense se comprometeu. Como tal, e segundo a própria EDP, terá um plano de divulgação diferente do habitual. Para além da exibição de estreia na nova sede da empresa, em Lisboa, na passada segunda feira, dia 8 de junho, o documentário será apresentado noutras dez cidades do país. Vai ainda estar disponível online e será anunciado nos vários meios de comunicação. A ideia passa, inclusive, por fazer de 1 Século de Energia uma obra a participante em vários festivais internacionais de cinema.

EDP

A ideia de optar por uma abordagem fora do vulgar e, de certa forma, inovadora, foi o ponto de partida para esta campanha. Paulo Campos Costa, diretor de comunicação e marca da EDP, em declarações ao Meios e Publicidade, explica que foi assim que “surgiu então a ideia de se tentar fazer uma campanha sobre um século de energia com alguém com mais de um século”. A Manoel de Oliveira coube a tarefa de aprovar o argumento e a supervisão dos planos de filmagem.

O documentário debruça-se sobre três fontes de energia naturais: a água, o vento e o sol. Sobretudo no caso da água, o realizador centenário aproveitou as imagens do filme Hulha Branca, de 1932 – que regista a inauguração da central hidroelétrica do Ermal, à época, propriedade da família Oliveira – para retratar como da água se chegou à luz.

O falecimento de Manoel de Oliveira impediu o mesmo de trabalhar na pós produção da curta-metragem. A própria campanha da EDP teve de ser atrasada cerca de dois meses para evitar ser lançada durante o período de luto. Associada a esta campanha estão também a decorrer duas ações distintas: uma, um concurso que pretende dar um século de eletricidade e gás natural sem custos a um cliente; a outra, uma bolsa para cineastas com o nome do realizador. O vídeo, esse o Espalha-Factos deixa-to aqui: