Esta é mais uma surpresa do Casulo: críticas de álbuns. A tua rubrica de Música de sexta feira apresentar-te-á de vez em quando alguns álbuns de estreia ou álbuns de artistas e bandas que, apesar de já terem mais trabalhos lançados, merecem a tua atenção.

Os Jupiter  são um duo francês de eletro-funk formado por Amélie de Bosredon e Quarles Baseden. Depois de uma série de EPs o grupo lançou o seu álbum de estreia em 2012, Juicy Lucy, num registo que relembra o funk dos anos 80 um pouco mais eletrónico do que o habitual. Um exemplo disso mesmo é o tema One O Six.

A 4 de maio de 2015, os Jupiter lançam o seu segundo álbum. Bandana Republic apresenta um lado ligeiramente mais pop, ou melhor, synthpop, não abandonando portanto o registo anterior. O disco mostrou-se promissor quando foi revelado o tema de avanço, Do It. A música é de facto bastante interessante e uma das melhores do álbum. O tema já tem um videoclip, demonstrando mais uma vez que de França vêm projetos realmente fascinantes.

AV é o bilhete de entrada para o álbum. O som etéreo faz-nos emergir numa nova dimensão musical.

Curiosamente, as três melhores faixas encontram-se juntas no alinhamento de Bandana Republic. Logo depois de Do It segue-se 1523 Alessandro St., uma música num tom mais grave, destacando-se logo por aí. Trata-se de uma música mais suave, isto é, sem sintetizadores agressivos, e um toque de piano que esporadicamente alegra o seu andamento. De seguida temos Steady Rocking, que mantendo o tom da faixa anterior, mostra-se como uma das poucas faixas instrumentais do álbum, colocando em evidência todo o trabalho fenomenal por detrás das suas músicas.

A música Bandana supreende pela amálgama bem conseguida de um pop-rock-eletrónico. Uma mistura que tem tudo para dar certo, e os Jupiter estiveram à altura. Celsius remete-nos de imediato para o registo eletrónico dos Hot Chip, num ritmo certo, quase matemático, e numa sucessão lógica de sons.

O ponto fraco do álbum reside na canção Tiki Nights. Talvez por já se encontrar mais para o fim do álbum e o grupo não se distanciar muito do mesmo, esta canção torna-se um pouco aborrecida e desinteressante. Sun, Gun, Gum chama-nos de volta à realidade, finalizando o disco em grande, num tom mais indie-trónico.

Ouve já Bandana Republic:

É possível notar alguns melhoramentos desde Juicy Lucy e este álbum está muito bom,. No entanto, o grupo precisa de começar a inovar o seu registo.

Nota Final: 7,5/10