maxfuriosa

Mad Max: Estrada da Fúria – Uma orgia de fogo, sangue e guitarras eléctricas

Mad Max: Estrada da Fúria é realizado por George Miller e conta com Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult e Hugh Keays-Byrne nos principais papéis.

Num mundo pós-apocalíptico (Wasteland), Max (Hardy) vê-se envolvido num conflito entre um deus (Keays-Byrne) e uma das suas comandantes (Theron). E a partir daí começam-se a desenhar várias coisas: caos, destruição, máscaras, motosserras, guitarras-eléctricas-que-lançam-chamas e um dos melhores filmes de acção de que há memória.

Os Vingadores: A Era de Ultron é um pastiche irreflectido quando comparado com a crueza e magnitude desta obra de arte.

Voltando à saga que o tornou famoso, o septuagenário George Miller, injecta (literalmente) litros e litros de sangue na veia de acção de Hollywood. Longe da infantilidade de Happy Feet e de Babe: Um Porquinho na Cidade, Miller rasga pescoços e corações, conduzindo uma ópera distópica em que a violência desmiolada é o motif.

Embora seja o quarto filme da saga, Estrada da Fúria não exige a visualização da trilogia original, protagonizada por Mel Gibson. Há muito que apreciar nos 120 minutos de correria pelo glorioso deserto da Namíbia.

lakjbvajbsvjlabv

A primeira grande vitória do realizador é ressuscitar John Seale para o cinema. Tendo-se reformado em 2010, o director de fotografia de Harry Potter e a Pedra Filosofal e de O Paciente Inglês, regressa de forma apaixonada. A paleta de emoções que colora o universo da Wasteland absorve toda a atenção e deixa pouco espaço para respirar.

Cada grão de areia neste deserto é essencial à história: e nenhum é deixado ao acaso. Cada personagem, por muito pouco tempo que esteja no ecrã, tem algo que a torna relevante e, muitas vezes, inesquecível.

A capacidade de George Miller para criar momentos memoráveis é messiânica. Desde o solo de guitarra mais glorioso da história do cinema, aos grotescos rebentos do vilão, Mad Max é uma Babilónia do bizarro, do demente, mas sobretudo, do fascinante.

hvhjcgjcjg

Bizarro porque se move do drama para a comédia, e da comédia para o suspense sem nunca perder o tom. Demente porque o faz sem sair do seu imaginário chanfrando. E fascinante porque é absolutamente credível.

Todos os intervenientes são humanos colocados em situações extremas. Tom Hardy pouco diz, mas constrói (com alguma ajuda de flashbacks) uma personagem multidimensional, compreensível e em constante perigo. Max não é um super herói: e nada podia ser mais refrescante. Nicolas Hoult providencia uma das mais surpreendentes interpretações dos últimos tempos. Multifacetado na sua loucura e consequente evolução, apresenta-se como uma das mais tocantes histórias que povoam o deserto.

Não obstante, nenhum deles tem a profundidade dos olhos de Charlize Theron. Quem não viu Monstro (filme para o qual venceu o Oscar de Melhor Atriz Principal) pode ser apanhado de surpresa pelas suas capacidades como atriz. Mas o facto é que a sul-africana nos brinda com umas das mais complexas e intrigantes performances da década. Sem recurso a “visões” ou histórias de um passado há muito perdido, os olhos, as feridas e as (poucas) palavras contam uma história mais rica do que todos os artificies cinematográficos de Hollywood alguma vez poderiam. Theron é, muito provavelmente, a Maria Falconetti desta geração.

lkadbgoab

A aparatosa banda-sonora de Junkie XL explora este mundo de excessos tanto ou mais que a realização. Com um poder meteórico, cada acorde (seja ele instrumental ou electrónico) toca nos nervos correctos, de forma a evocar emoções completamente distintas.

Muito tem sido escrito acerca das cenas de acção: que apenas 20% do que se vê é CGI; que os planos são abertos, fazendo com que a acção seja compreensível; que não há shaky-cam; que as lutas são todas coreografadas e credíveis.

Ou seja, que George Miller espetou um bom dedo do meio na cara de todos os que faziam crer que o cinema de acção “real” estava morto. Está vivo sim: e a bombear litros e litros de sangue na veia de acção de uma Hollywood pintada de preto e branco, que só presta tributo a falsos deuses.

10/10

Ficha Técnica

Título: Mad Max: Estrada da Fúria

Realizador: George Miller;

Argumento: George MillerBrendan McCarthyNick Lathouris; 

Com: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult e Hugh Keays-Byrne;

Género: Acção.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
bolos Harry Potter2
Descobre os bolos de aniversário preferidos dos portugueses… e das personagens da ficção