As previsões sucedem-se, as apostas multiplicam-se e até o Buzzfeed já tentou perceber, pelas pesquisas do Google, quem está melhor posicionado para ganhar. O Espalha-Factos faz as contas e alinha as pistas para ver quem levanta a taça no Festival Eurovisão da Canção hoje à noite. 

Suécia, a máquina eurovisiva

A Suécia lidera desde cedo as apostas online, com o agregador Oddschecker a dar conta disso mesmo quase desde o início da temporada eurovisiva. Måns Zelmerlöw surfou a onda de hype que o Melodifestivalen lhe proporcionou, naquela que foi a sua terceira tentativa de chegar à Europa.

As coisas parecem bem encaminhadas, até porque Heroes também domina nas vendas internacionais. Das músicas deste ano é aquela que conta com mais streamings e vendas online. Resta saber se, na altura de votar, a Europa se rende ao pop perfeitamente desenhado e à performance calculada ao milímetro dos suecos.

O país já soma 5 vitórias e é um habitué nos lugares cimeiros do top, por isso o histórico também ajuda. Entre os eurofãs, soma amores e ódios, mas parece-nos que entre tantas emoções fortes, o schlager sueco é ainda a referência maior no estilo eurovisivo contemporâneo.

Rússia, a rainha do voto vizinho

A Rússia ainda não parou de subir nas apostas desde que atuou na primeira semifinal. Aguardava-se um cenário adverso para Polina Gagarina na edição deste ano da Eurovisão, muito por causa de toda a tensão política e diplomática em torno da Federação Russa, mas parece que a componente musical acabou por vencer. A atuação da cantora foi convincente, emocionante até, e está garantido muito voto amigo.

É um clássico da troca de pontuações. A Mãe Rússia vai receber votos da Estónia, da Bielorrússia, da Arménia, do Azerbaijão, da Letónia, da Lituânia e da Moldávia. E isto é só para começar, porque se a atuação voltar a cair no goto dos telespectadores europeus, vão somar-se pontos de toda a parte. Nas últimas três edições, ficou sempre no top10. No YouTube, a música já recebeu mais de 6 milhões de visualizações e das concorrentes é a mais ouvida na rede social.

Itália e Espanha, a recuperação dos clássicos

Os dois gigantes latinos já estão há muitos anos longe da vitória. Itália, que esteve ausente entre 1997 e 2011, ganhou pela última vez em 1990 e a Espanha precisa de recuar a 1969 para recordar a sua última canção vencedora.

Itália é uma favorita dos fãs. Ganhou a votação internacional das Organizações Gerais dos Amantes da Eurovisão (associações de admiradores do Festival Eurovisão da Canção) com 367 pontos, mais 30 que a Suécia. Nas apostas tem estado constantemente no top3, apesar de acumular perdas durante esta semana. A versão teen dos Il Divo tem feito suspirar os saudosistas e os fãs de um bom épico. Se a Itália volta a ganhar, estaremos definitivamente perante um regresso às origens.

Espanha fez mistério em torno da música que selecionou e lançou Edurne com aparato, o que talvez seja responsável por a cantora liderar as pesquisas no Google em todo o mundo. Este fator, contabilizado pelo Buzzfeed, voltou a trazer a canção espanhola às hipóteses de vitória, embora toda a gente acredite que este é um cenário remoto. A Espanha é apenas 12.ª nas apostas e não foi além do 8.º lugar nas preferências dos fãs. Na grande noite, a atuação da belíssima intérprete conta com mudança de roupa e muitas poses de diva, mas admitamos que tudo isto já foi mais importante para o resultado final.

Austrália, de fãs a participantes

A Austrália acompanha o Festival da Eurovisão há vários anos, sempre como espectador distante e renegado da votação final. Este ano, na comemoração dos 60 anos do evento, foi convidada a participar. E entrou em grande. A participação de Guy Sebastian está entre as favoritas da edição.

O cantor, vencedor do World Idol, está no top5 das apostas online foi sexto na votação dos fãs eurovisivos. Agora ocupa lugar em 12 tops de vendas internacionais e ainda nem atuou. Na grande noite, tudo se pode baralhar quando um país não-europeu ganhar o mais antigo concurso musical do Velho Continente.

Possíveis surpresas

Estónia, Bélgica e Sérvia podem também surpreender na noite de hoje. A canção da Estónia é um sucesso de vendas e foi bem acolhida pelos fãs, a música belga tornou-se uma sensação depois da primeira semifinal e a Sérvia surpreendeu com uma atuação pujante – e a big lady do ano – com uma mensagem sobre assumir as diferenças e acreditar na beleza que há em cada um de nós.

Vamos agora esperar pela hora da verdade. Às 20h00 na RTP1 ou em boa companhia na Euronight do Espalha-Factos, em Lisboa. Junta-te à festa!