Suzanne Heintz é o nome da fotógrafa e também do único modelo real deste conjunto de fotografias. Não o fez por estar com algum distúrbio psicológico, mas sim para criticar o papel esperado das mulheres na sociedade e, por todas as pressões que as mesmas sofrem para se encaixarem nos padrões. Numa altura em que sentiu tudo isto na própria pele, Heintz decidiu começar a fotografar-se com dois manequins como se fossem a sua família ao longo de 14 anos.

“Parecia que seria considerada uma mulher com mais sucesso, se encontrasse qualquer corpo disponível para assentar rapidamente. Foi precisamente isso que fiz, de uma maneira peculiar e engraçada, mostrando o que há de errado nesta ideia”* afirma a fotógrafa no site Bored Panda, explicando a sua motivação para o ensaio fotográfico.

Não estava pronta para ser mãe nem esposa, queria apenas ser mulher, algo que parecia não ser suficiente para os que a rodeavam. Estas fotografias onde mostra eventos importante na vida familiar desde o início da relação, ao casamento, gravidez, férias em conjunto, entre outros, foram a forma de expressar o seu descontentamento.

“Apesar de me ter usado enquanto modelo, isto na realidade não é sobre mim. É sobre aquilo que é esperado de todas as mulheres (…) É sobre julgar-mo-nos e julgarmos os outros.”*, afirmou Suzanne Heintz. O resultado é um conjunto de cenas do quotidiano de uma família, em que as suas expressões são exageradas ao limite para contrastarem com a falta de emoção dos manequins.

 

*tradução livre