10338315_10152955821343393_5380017836620782273_n

‘Gender Trouble’ no Teatro Maria Matos até dia 24 de junho

O Teatro Maria Matos propôs-se como espaço para debater, observar e experienciar a performatividade de género, num ciclo com oito espetáculos, cinco conferências, dois workshops e uma festa de encerramento no LuxFrágil. Gender Trouble estreou a 5 de maio e está disposto a “reconfigurar o pensamento e as formas de ação em torno do género e das sexualidades” até dia 24 de junho.

Faz 25 anos que Gender Trouble. Feminism and the Subversion of Identity, da filósofa Judith Butler, foi publicado. A obra “continua a marcar não só a investigação académica, e os movimentos feministas e LGBTQI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgénero e Intersexo), como também a criação artística”, refere Salomé Coelho, uma das curadoras.  Butler afirma que o género não é uma categoria ontológica, mas que se constrói, sendo, em última análise, uma performance. Salomé Coelho afirma que: Com este conceito, Butler questiona as normas institucionais, legais e culturais que estabelecem uma coerência discursiva entre sexo, género e desejo. Por outras palavras, Butler desafia o pressuposto de que existe uma correspondência entre um sexo específico, uma determinada identidade de género e um desejo pelo “sexo oposto”.”

Conferências

Das cinco conferências programadas, restam três. Dia 19 de maio, a palestiniana Shahd Wadi, doutorada em Estudos Feministas na Universidade de Coimbra, irá apresentar “uma intervenção no seguimento da tese, intitulada Corpos na trouxa: Histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio, em que aborda as narrativas artísticas, produzidas no contexto da ocupação israelita da Palestina”, enquanto Carlos Motta “parte do seu trabalho e de outros artistas da América-Latina, para reflectir sobre a imposição violenta da sexualidade”. No dia 26 de maio, Ann Pellegrini, professora de Estudos de Performance e Análise Social e Cultural na Universidade de Nova Iorque, fará apenas uma abordagem geral aos pontos em comum entre os Estudos de Performance e os Estudos de Género e Sexualidade. O dia 2 de junho é da própria Judith Butler, que “nunca deixou de marcar presença no debate acerca do género e da sexualidade e continuou a inspirar académicos, feministas, artistas e ativistas pelos direitos das comunidades LGBTQI”. As conferências, transmitidas em direto por streaming, são de entrada livre (sujeita à lotação da sala), mediante levantamento do bilhete no próprio dia, a partir das 15h, tendo início às 18h30.

Espetáculos

Cascas d’OvO, de Lander Patrick, é o próximo espetáculo, dia 21 de maio, às 21h30. “A peça é definida por uma tensão, categorizando a relação entre dois homens através da negação”. No dia 23, às 21h30, Striptease e Bomberos con grandes mangueras, de Pere Faura, compara de maneira irónica e divertida o acontecimento teatral com a arte de despir-se e revisita o imaginário pornográfico como prática coreográfica. Dia 30 e 31, das 11h30 às 13h30 e das 15h30 às 17h30, Rosana Cade apresenta Walking:Holding, promovendo “um desafio aos preconceitos e uma homenagem à individualidade e às diferenças de cada um”. Também no dia 31, às 21h30, Vera Mantero e Mariana Tengner Barros apresentam duas peças, uma misteriosa Coisa, disse o e. e. cummings e Après le Bain, respetivamente. Nos dias 6 e 7 de junho, às 11h e às 17h, Mette Ingvartsen usa, em 69 Positions,  “o seu próprio corpo como território para explorar questões não resolvidas sobre a sexualidade nas práticas artísticas contemporâneas”. Para terminar, de 18 a 24 de junho (exceto 22), Hermaphrodita, de Karnart, sobe a palco. “Se HERMAPHRODITA, o poema, acolhe na alma do seu autor [Eugénio de Castro], separados pelo suicídio do único, os dois feros e hostis irmãos, HERMAPHRODITA, o espetáculo, expõe dos mesmos a alma, una em corpos despojados, nus — também pelo direito à dignidade de todas as minorias de género”.

Workshops

Os dois workshops programados têm datas marcadas para dia 30 de maio e 6 e 7 de junho. Drag King é um workshop que permite aos seus participantes explorarem a sua masculinidade, “descobrindo a sua construção e brincando com ela, na perspetiva de ocupação desse lugar no espaço público”. Das 11h às 17h, é lecionado em espanhol por M en Conflicto, por um preço único de 7€. The body as a sound post-gender instrument introduz, durante dois dias, os seus participantes “na arte da performanceenquanto instrumento político, através da modificação dos corpos com recurso a diferentes tipos de próteses e da criação de identidades híbridas, que procuram ultrapassar dicotomias como natural/artificial, homem/máquina, humano/animal, homem/mulher, hetero/homo, arte/vida, ciência/pré-tecnologia, entre outras”. É lecionado em inglês e tem um preço único de 10€.

Vídeoarte e Festa de Encerramento

Dia 24 de maio, das 15h às 20h30, o programa Vídeo & Género, compilado por Teresa Furtado, “junta oito artistas de renome internacional, cujo trabalho no vídeo e no cinema experimental é influenciado pelo pensamento butleriano, ao questionar, subverter e recriar as normas, representações e práticas de  género e sexualidade, fazendo emergir novos discursos culturais identitários de subjetivação e autodeterminação”.

A festa de encerramento do ciclo Gender Trouble terá lugar dia 18 de junho, no LuxFrágil, e o -mente desafia oito artistas “a criar um objeto artístico de oito minutos dedicado ao tema do ciclo que agora encerra. Cada artista responde num formato à sua escolha, sujeito apenas às condições do espaço e aos desafios do tema. O LuxFrágil trata da festa com DJ à medida”.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Festival Glastonbury
Reino Unido aprova dispositivo de testes rápidos à Covid-19 para festivais