O Dia Mundial da Dança está quase a chegar e a Companhia de Dança de Almada marcou espetáculos em Almada, Bragança e no Barreiro para o assinalar. Além de duas peças da companhia, podem ser vistos dois espetáculos dos alunos do Curso Vocacional da Escola. 

Re●ligações

As comemorações iniciam-se no dia 28 de abril com dois espetáculos no Teatro Municipal de Bragança, às 11h00 e às 15h00. A peça é destinada aos alunos das escolas locais e tem o preço de 2 euros.

A peça volta a ser apresentada a 3 de maio no Auditório Municipal Augusto Cabrita, no Barreiro, às 16:00.

Re●ligações é uma peça de Rita Judas inspirada na agricultura tradicional e na vida em comunidade. Com cocriação e interpretação de Beatriz Rousseau, Bruno Duarte, Daniela Andana, Joana Puntel, Luís Malaquias, Mariana Romão, Miguel Santos e Nuno Gomes, esta peça tem o objetivo de sensibilizar o público mais jovem para questões como a consciência da biosfera, a reconciliação das pessoas em sociedade e das pessoas com a natureza ou a cooperação. A peça acompanha o ciclo da agricultura desde o lavrar das terras até às festividades depois da apanha. A peça estreou em 2014, tem a duração de 60 minutos e procura estimular os laços familiares e comunitários.

Programa Comemorativo do Dia Mundial da Dança

No dia 30 de abril, as alunas da Escola da Companhia de Dança de Almada sobem ao palco do Auditório Fernando Lopes-Graça, em Almada. Neste dia apresentam um reportório clássico composto por Valsa das Horas e Mazurka do bailado Coppélia e Les Sylphides. O espetáculo realiza-se às 21h30 e é de entrada livre.

No dia 2 de maio, o Curso Vocacional apresenta no mesmo espaço um programa construído no Estúdio Coreográfico e Dança Contemporânea. O preço da entrada é de 2 euros.

O Curso Vocacional destina-se a alunos que após o horário escolar pretendam ter um ensino de dança regular e intensivo. O curso contem as seguintes disciplinas: Dança Clássica, Dança Contemporânea, Técnica de Pontas, Barra de Chão, Estúdio CoreográficoReportório.

unnamed (4)

Muito Chão

Ainda no mês de maio, a companhia apresenta no Barreiro a peça Muito Chão de Benvindo Fonseca. O custo é de 7,5 euros e inicia-se pelas 21h30.

Com interpretação original de Beatriz Rousseau, Bruno Duarte, Carla Jordão, Daniela Andana, Mariana Romão, Miguel Santos, Nuno Gomes e Sofia Silva, Muito Chão foi a peça que encerrou as comemorações dos 30 anos de carreira de Benvindo Fonseca. Na trilogia composta por Edzer (África), Casa do Rio (Portugal) e Muito Chão (Índia), o bailarino e coreógrafo revisita aquelas que considerava as suas casas. Como o próprio refere sobre as peças:

“Vou trabalhar mais uma vez na busca de mim mesmo. No sentir sempre. No emocionar o público. Assim como, simplificar mas fazer da peça um momento sensorial, onde a dança está na sua melhor essência: o movimento, nunca desprovido de emoção e intenção.”

Muito Chão aborda a Índia. Nesta criação, Benvindo Fonseca fez uma busca pelo que sentiu naquele país: os cheiros, as cores, os sabores ou os costumes. Além disso, o coreógrafo também aborda:

“A desigualdade, juntamente com rituais, deuses e sabedoria, assim como o nada, qualidade tão importante, valorizada nestas paragens e tão pouco no Ocidente”.