Untitled-1
Antes e depois

(A) Dias na Noruega: A Melancolia final

Escrevo este texto sentada ao sol na esplanada daquele que é o After Ski com melhor espírito nestas bandas, o KOIA. Quando cheguei a Kvitfjell tinha como rotina de fim de dia sentar-me no terraço a beber um chocolate quente e a ouvir a música que se fazia entoar daqui. Isto acontecia por volta das 16h, já de noite cerrada, com 10 graus negativos. De momento são quase 16h e o Sol ainda está lá bem no alto, brindando-me com 10 graus positivos.

Lembro os primeiros dias já com alguma melancolia. As árvores estavam cobertas de neve de tal forma que o peso as fazia tombar completamente. Explorava a área timidamente, sem nunca saber bem onde estava e tentando recordar-me do caminho de volta. No segundo dia, 15 de janeiro, mal saí da área do hotel fiquei enterrada em neve até à cintura. Andei pelas pistas, subi até meio da montanhas e depois resolvi aventurar-me até um grande edifício de apartamentos que se vê no alto um monte. Pensando ter todo o tempo do mundo, claro.

Para meu mal, tenho como irremediável característica tomar péssimas decisões sempre que estou sozinha, por isso demorei demasiado tempo e quando voltei já era tarde demais, os elevadores já tinham fechado, a luz era escassa e tinha pela frente uma subida que se assemelhava a uma parede branca. A cada dois metros, escorregava dois, parecia a história do caracol a subir o poço. Era quase de noite e ainda tinha metade pela frente. Para subir o resto tive que escavar com as mãos buracos para pôr os pés. Total azelha das neves, mas lá consegui.

Tens de respeitar mais a Natureza” – disse a Kari, nossa host, quando cheguei. Daí em diante respeitei e aqui estou.

Depois de meses de muita neve, com a chegada do Sol era o gelo que invadia os caminhos. A Natureza faltava-me constantemente ao respeito, sendo raro o dia em que não caía. Mas continuo a estar aqui!

A neve começa agora a derreter e as montanhas estão a mudar de cara. Os telhados cobertos de erva estão a aparecer, as árvores estão verdes e paira no ar uma tranquilidade revitalizante. Os dias por aqui já são escassos e tento agora absorver tudo o que vejo. Casas na árvore, lindas casas de férias em madeira, cascatas a começar a correr e o rio a deixar de ser branco para ser de um azul lindíssimo.

No Hotel todos falam em regressar a casa, nas saudades da civilização, dos amigos, da família, e eu sinto apenas uma melancolia que não pára de crescer. Em viagem custa-me sempre partir, sou invadida pela tristeza de possivelmente não regressar àquele sítio. Mas esta foi uma viagem prolongada e a minha definição de casa é a cada dia que passa mais distinta da definição comum. Para mim a casa está às costas, trago os meus amigos e família comigo porque eles são parte de quem eu sou, e por isso não sinto saudades, porque estou sempre com eles. Casa é onde temos o coração, onde sentimos o conforto, e eu sinto-me bem em movimento. Uma fã da ideologia “parar é morrer“.

Quarta-feira deixo Kvitfjell rumo a Oslo, depois deixo Oslo rumo a Bergen, e termina a odisseia, tempo de regressar. Comigo levo uma nova família constituída por todos os que fizeram parte do meu dia-a-dia. Levo 3 meses de coração cheio de montanhas e de crescimento pessoal… acho que vou de malas pesadas!

 

 

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Sentinelle
‘Sentinelle’. Netflix lança thriller sobre vingança após agressão sexual