CDCE---eros-e-psique-_4---foto

Alentejo recebe Festival Internacional de Dança Contemporânea

A partir de hoje, quatro concelhos do Alentejo (Évora, Beja, Redondo e Estremoz) recebem o Festival Internacional de Dança Contemporânea (FIDANC). Ao todo serão apresentados 16 espetáculos de sete criadores portugueses e estrangeiros. O festival já vai na 16º edição e decorre até 9 de maio.   

A Companhia de Dança Contemporânea de Évora (CDCE) é o promotor do evento. Tudo começou em 1997, pela necessidade de abrir horizontes na região para a prática da dança contemporânea. Nélia Pinheiro, da CDCE, esclarece que o objetivo deste ano é  “diversificar bastante”. Das sete criações apresentadas, todas são muito diversas entre si, acrescenta a coreógrafa.

O festival inicia-se hoje no  Black Box da CDCE, em Évora, com as duas estreias nacionais: Os Intervalos do Eco do espanhol Emílio J. Cervelló e Perpétuo Agora de Gonçalo Andrade. Os dois espetáculos vão estar em Beja, Estremoz e Beja, nos dias 16 de abril, 18 de abril e 2 de maio, respetivamente.

Ao longo do festival, será apresentado Salomè, Ha Perso il Lume da italiana Costanza Givone, em Évora, dia 7 de abril, em Beja, dia 9 de abril e em Redondo, dia 11 de abril. Évora ainda receberá Chrysalis de Jordi Vidal, no dia 15 de abril e Medo e Feminismos de Miguel Bonneville e Maria Gil.

rdb_medofem_header
Medo e Feminismos de Miguel Bonneville e Maria Gil

Os mais novos também têm o seu espaço no festival com o espetáculo A Galinha da minha Vizinha da companhia Circolando, nos dias 10 e 11 de abril.

Não só de espetáculos se faz o festival e o público terá a oportunidade de assistir a workshops, conversas ou à exposição de artes plásticas de Inês Teles.

O encerramento será no dia 9 de maio com o espetáculo Eros e Psiquê de Nélia Pinheiro da CDCE no Teatro Garcia de Resende, em Évora.

Consulta mais informações, aqui.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Look Back in Anger
‘Look Back in Anger’: o renascimento do teatro britânico