DSC04576

Festival Cumplicidades: passeios com dança

Já terminou o Cumplicidades, o festival que tinha como principal objetivo aproximar a dança a todo o público. Entre espetáculos, uma instalação, workshops e palestras também se promoveram percursos de dança. O Espalha-Factos acompanhou dois percursos onde a dança tem uma forte presença. 

Nestes percursos ninguém dançou. Não era esse o objetivo. Nos passeios a jardins e espaços de ensino, Ezequiel Santos, o programador do festival, pretendia mostrar espaços onde já se dançou e onde isso ainda é uma referência. Num primeiro percurso percorremos jardins, num segundo fomos recebidos em escolas onde a dança tem uma forte componente.

A dança nos jardins

Ao longo da sua história, a dança tem procurado conjugar-se com os espaços verdes. Já foram vários os bailarinos a utilizarem a natureza como palco. O Percurso Jardins mostrou um pouco essa realidade.

O passeio iniciou-se no Jardim Botânico. Este era um espaço onde se faziam encontros de dança nos anos 90. O Jardim do Príncipe Real também fez parte da rota, mas a visita foi mais prolongada no Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian. Este espaço guarda a memória do Ballet Gulbenkian com a sala de ensaios no seu subterrâneo ou o auditório exterior onde Anne Teresa De Keersmaeker atuou pela primeira vez em Portugal.

A Tapada da Ajuda já foi palco de coreografias de Madalena Victorino. Por isso, o percurso teve obrigatoriamente de passar por lá. Diário de um Desaparecido filmado em  1992 pela RTP era uma coreografia que se procurava conjugar os corpos dos bailarinos com a natureza.

Os espaços de ensino

Escola Superior de Dança

O Percurso Bairro Alto começou pela Escola Superior de Dança. O objetivo deste passeio era conhecer os espaços de aprendizagem dos bailarinos e entramos mesmo no sítio certo.

A Escola Superior de Dança foi criada em 1983 e deslocou-se em 1993 para a sua atual residência na Rua da Academia das Ciências. A escola está instalada numa antiga empresa metalúrgica e os vestígios são bem visíveis. Com cerca de 200 alunos, a escola foca-se sobretudo no ensino da dança contemporânea. O Cumplicidades deu a oportunidade de tirarmos os sapatos e sentirmos o que é estar num estúdio de dança, de passarmos por salas de musculação, alongamentos, de guarda-roupa ou pelo Gabinete de Massoterapia e sentirmos um ambiente onde se aperfeiçoa a aprendizagem da dança.

Na visita também foi feito um convite. A escola tem um centro de documentação e informação que está acessível a todos e onde entre livros, revistas e vídeos se pode conhecer melhor a dança.

Escola de Música do Conservatório

Ainda nem estamos bem na Rua Caetanos e já ouvimos o som dos instrumentos dos alunos da Escola de Música do Conservatório. A paragem neste edifício é obrigatória. A música e a dança têm uma relação inseparável.

A fachada do edifício anuncia inevitavelmente as recentes manifestações. Os problemas de infiltrações, os tetos a cair e as paredes a ruir obrigaram ao encerramento de 10 salas, que tem condicionado o funcionamento da escola.

Os problemas advêm da necessidade de obras no edifício. A escola tem 180 anos e começou por estar instalada em Benfica. Nos anos 80 do século XIX passa para a Rua dos Caetanos, nomeadamente para um  Convento de Frades. As últimas intervenções de fundo remontam aos anos 40 e algumas obras nos anos 60. Agora o edifício ressentiu-se e a Câmara Municipal de Lisboa foi obrigada a encerrar 10 salas.

Depois de marchas e manifestações de alunos, docentes e pais da escola, o Governo anunciou uma verba de 43 000 euros para obras urgentes e a garantia de um projeto para obras de fundo. As obras já começaram nas salas onde os tetos estavam a cair e têm o prazo de 90 dias para estar prontas.

Nesta escola com ensino integrado são visíveis as condições frágeis do edifício. No Salão Nobre, onde no momento ensaiavam dois alunos e já foi sítio de audições, está como foi construído no início do século XX. Mas ainda resta o teto pintado por José Malhoa, nesta que era a antiga igreja do convento.

Só neste ano, devido à falta de espaço, foram canceladas 25 audições e a Biblioteca encontra-se encerrada para que possa servir de sala de aula.

Mas ainda resta muito motivação e alunos que querem aprender música, que será de certeza conciliada com a dança.

O fim do percurso pelo Bairro Alto fez-se até ao Bar Frágil, um local de encontro de bailarinos, e pelo Interpress onde já esteve instalada o Fórum Dança e agora está a Companhia Clara Andermatt.

Nos outros dois percursos promovidos pelo festival, os participantes tiveram a oportunidade de entrar no Teatro da Trindade e na Culturgest ou ainda de recordar a passagem da companhia Ballets Russes de Diaghilev no início do século XX e de visitar espaços de apresentação alternativos para os coreógrafos portugueses dos anos 80.

Fotografia de Beatriz Ferreira

Mais Artigos
RTP3 Operação Marquês
RTP3 bate máximo do ano no ‘Dia D’ da Operação Marquês