O passado dia 23 de março ficou marcado pelo regresso dos GNR. O famoso grupo de rock lançou o seu 12.º álbum de originais, intitulado Caixa Negra. O disco conta com a produção de Mário Barreiros, e a edição ficou a cargo da editora independente IndieFadaCaixa Negra revela ter um forte potencial para se destacar no panorama de álbuns nacionais ao longo deste ano.

Com uma carreira que já ultrapassa os trinta anos, os GNR demonstram neste novo álbum que a passagem do tempo, embora inevitável, não tem poder suficiente para abalar o talento de Rui Reininho, Toli César Machado Jorge Romão. Ao longo das últimas décadas, a banda tem passado por vários estilos dentro do rock, e mesmo assim tem conseguido manter-se fiel a si mesma.

Cadeira Elétrica é o nome do primeiro single do álbum, tendo sido lançado em dezembro. A composição instrumental num registo rock, acompanhado de um belíssimo arranjo de piano e do timbre único de Reininho, fazem desta faixa uma das melhores desta Caixa Negra. A música já tem um videoclip, que aborda o dia-a-dia de um indivíduo de uma forma bastante curiosa:

A primeira canção no alinhamento, Caixa Negra, é também uma canção que se destaca pela positiva. Nesta música, os GNR conjugam perfeitamente a sonoridade característica do rock com apontamentos de funk. Colocar esta faixa no início do álbum foi uma decisão bem tomada, uma vez que se torna um convite bastante chamativo ao ouvinte para escutar as restantes faixas.

As músicas Não Há Guerra MacAbro também merecem algum destaque. A primeira porque tem um arranjo de guitarra esplêndido e uma letra que roça o sublime. Já a segunda, num registo que se destaca de todo o álbum, apresenta uma sonoridade um tanto vanguardista e bastante original. É o remate ideal para um álbum como este Caixa Negra.

Ao longo deste disco não reparei em pontos propriamente negativos. Não digo isto por se tratar do projeto de uma banda conceituada, mas porque todas as músicas são efetivamente boas! O único reparo que se possa fazer neste sentido é o facto de não ter gostado tanto da faixa Honolulu como gostei das outras. O disco também tem uma faixa que ficou um pouco aquém das expectativas. Falo da música Desnorteado, um remake do tema com o mesmo nome, do álbum Defeitos Especiaisde 1984. Não quer dizer que a música não seja boa, apenas prefiro a versão original.

 Caixa Negra foi um álbum que me surpreendeu imenso pela positiva. Este novo projeto dos GNR é a prova de que a Música produzida em Portugal e cantada em português merece algum respeito e maior atenção por parte de todos. A Música portuguesa tem tanto potencial como aquela que é produzida em qualquer outra parte do mundo, e portanto merece ser ouvida mais frequentemente.

Esta é a tracklist da Caixa Negra:

  1. Caixa Negra
  2. Os Moscas
  3. Não Há Guerra
  4. Cadeira Elétrica
  5. Desnorteado (em 2015)
  6. Triste Titan
  7. Dançar SOS
  8. Honolulu
  9. Apontar
  10. MacAbro

Nota Final: 9/10

Caixa Negra