O FESTin está de volta com mais filmes e muitas novidades

O FESTin está de volta com mais filmes e muitas novidades

Lisboa volta a receber em abril o FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, que promete nesta sua 6.ª edição continuar a celebrar e fortalecer a cultura lusófona através do cinema.

Este ano, o FESTin traz ao Cinema São Jorge 85 filmes vindos de Portugal, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique. Como sempre, o programa do festival irá dividir-se pelas habituais Mostras Competitivas (longas e curtas), Maratona de DocumentáriosMostra de Cinema Brasileiro e Mostra de Inclusão Social.

É na Mostra Competitiva que se encontram os filmes que irão abrir e fechar o FESTin 2015. O primeiro é O Vendedor de Passados, adaptação para o grande ecrã da obra homónima do escritor angolano José Eduardo Agualusa, um drama sobre a forma como o passado influencia quem nós somos, protagonizado por Lázaro Ramos, ator já premiado em 2013 no festival. Já Não Pare na Pista irá ser o último filme exibido e transporta para o cinema a vida do polémico e mais bem sucedido escritor brasileiro de sempre, Paulo Coelho.

Das outras oito longas em competição, duas são portuguesas: A Porta 21, do promissor João Marco (que teve a sua estreia no cinema no FESTin há três anos), um filme a preto e branco com traços de noir sobre um escritor que vê a sua obra inédita roubada por um amigo; e Lura, drama que, através do ponto de vista de Manuel, mostra um homem a tentar reconstruir a sua vida, tendo para isso que combater os fantasmas do passado.

Maior diversidade há na Mostra Competitiva de Curtas-Metragens. Ao todo serão exibidos 22 filmes de pequena duração ao longo de três sessões, provenientes de todos os países lusófonos, incluindo Portugal, que se faz representar com nove obras.

A Maratona de Documentários, criada em 2013 mas já uma imagem de marca do FESTin, volta juntar produções vindas de todos os cantos da lusofonia. Os tópicos abordados vão desde o passado à atualidade, com principal destaque para temas político-sociais, como podemos ver, por exemplo, em 2 Metros Quadrados, sobre os sem-abrigo na cidade do Porto. O próprio cinema é alvo de estudo nesta secção do festival com Água para Tabatô (premiada média-metragem sobre as filmagens do também consagrado Batalha de Tabatô) e (Entre) Cenas (que acompanhou a rodagem de Os Maias de João Botelho).

Como é costume, o Brasil é o protagonista de uma das secções do festival, a Mostra de Cinema Brasileiro. Às três longas e cinco curtas que constituem esta parte do FESTin junta-se ainda uma homenagem à Rede Globo onde o canal televisivo, que comemora este ano meio século, verá algumas das suas mais recentes produções cinematográficas exibidas na Mostra Globo Filmes. A celebração dos 50 anos da Globo será também pretexto para o debate Cinema x Televisão, que terá um painel de participantes constituído por Edson Pimentel e Ricardo Pereira (diretores da Rede Globo no Brasil e em Portugal, respetivamente), Mário Augusto, o realizador Cavi Borges e o distribuidor Nuno Gonçalves.

Presente desde a primeira edição, a Mostra de Inclusão Social prevê-se desde já uma das principais secções do FESTin 2015. As seis curtas-metragens (quatro brasileiras e duas portuguesas) que serão exibidas debruçam-se sobre temas focados nas minorias e comunidades com dificuldades de inserção social.

Os mais jovens e os mais velhos terão destinadas a si duas seleções especiais. A Festinha oferece a grupos escolares do 1.º e 2.º ciclo quatro longas-metragens e ainda uma sessão de curtas, na sua grande maioria em formato de filme de animação. Já a 3.ª idade será alvo de uma sessão de quatro pequenos trabalhos, apelidada de Festin+, complementada pela palestra Reforma: Um Projeto de Vida.

No que toca à homenagem que o festival faz habitualmente a um dos países lusófonos, será Timor-Leste a ser destacado este ano, para assinalar os 500 anos desde a chegada dos portugueses ao país. Será exibida a curta Fraternuras, que lida com algumas das questões da sociedade contemporânea timorense, e logo a seguir irão sentar-se na Mesa Redonda Pascoela Barreto, José Amaral, Tiago Bastos, Paulo Pires, Georgina Benrós de Mello e Maria Coutinho para falar sobre a língua portuguesa em Timor no debate Timor, Janela Aberta.

Por fim, resta referir que a Argentina é a convidada deste ano, numa parceria com o Instituto Cervantes. O país sul-americano sucede assim a França numa iniciativa que pretende alargar os horizontes do FESTin e faz-se representar por quatro filmes, alguns deles com passagem em festivais de grande prestígio.

Não faltam portanto razões para vir ao 6.º FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa. O festival, produzido pela Padrão Atual com o apoio do Cinema São Jorge e a EGEAC-CML, decorre de 8 a 15 de abril. Podes ver a programação completa aqui.

Mais Artigos
Óscares
Óscares 2021. As nomeadas a Melhor Atriz Secundária ‘ao detalhe’