Oscar Wilde

Autor do mês de março: The Picture of Dorian Gray

The Picture of Dorian Gray é um romance de Oscar Wilde, onde os conceitos do bem e do mal são discutidos e onde um jovem belo e inocente usa os seus atributos para conseguir o que quer, revelando aos poucos a verdadeira natureza da sua alma. É uma obra indispensável para todos os amantes de literatura e uma viagem inesquecível pela ascensão e queda de um ser humano que, apesar de possuir uma beleza indescritível, por dentro é o sinónimo de pecado e perversão.

Dorian Gray é um jovem de 18 anos pertencente à alta burguesia inglesa e de invulgar beleza, por quem o pintor londrino Basil Hallward fica fascinado. Determinado a eternizar tal perfeição numa tela, Basil convence-o a posar para ele, mostrando sempre a grande admiração pelo aspeto do jovem Dorian. É numa dessas sessões que conhece o Lorde Henry Wotton, um aristocrata cínico e hedonista e um amigo de longa data de Basil. Dorian rapidamente cria uma conexão com o Lorde Henry, que o seduz para o seu modo de pensar libertino, em que a beleza e o prazer são as únicas coisas que valem a pena perseguir na vida.

Horrorizado pela inevitabilidade de ter de envelhecer e ver a sua beleza desaparecer ao longo dos anos, Dorian comenta com Basil e Henry que gostaria de manter a sua beleza eternamente, tal como está representada no seu retrato, e que daria tudo para ser eternamente jovem, mesmo a sua própria alma.

Arkham cover D final

É aqui que começa a história de um jovem inocente que evolui para um ser narcisista, apaixonado pelo belo e aproveitando os prazeres da vida. Influenciado pelo Lorde Henry, Dorian deixa-se levar por uma vida libertina, muito diferente do modo de ser puritano predominante na Época Vitoriana. Apesar de manter os traços belos e angelicais de um encantador jovem de 18 anos, por dentro, Dorian mostra-se uma pessoa egoísta, falsa, egocêntrica, capaz apenas de pensar em si.

Dorian acaba por se apaixonar por Sibyl Vane, uma talentosa atriz de 17 anos que retribui a paixão pelo jovem quase imediatamente. Este, no entanto, apenas fica encantado pela beleza da rapariga e pela forma como ela representa heroínas das peças de Shakespeare, e decide torná-la sua noiva. Uma noite, Dorian convida Basil e Lorde Henry a assistir a uma das interpretações de Sibyl, mas esta, demasiado encantada com o seu amado, perde toda a capacidade de atuar. Ao ver que a sua noiva havia perdido aquilo que o tinha feito apaixonar-se por ela, Dorian despreza-a cruelmente. Desgostosa, Sibyl suicida-se, marcando a primeira transformação no caráter de Dorian, que começa a notar-se no retrato.

É aqui que se nota que o desejo que Dorian proferiu no início da história se tornou realidade: o retrato passa a refletir o que vai na alma do jovem, envelhecendo e se desfigurando consoante a descida de Dorian no abismo dos seus pecados. Tentando evitar deixar-se influenciar pela negatividade que o retrato lhe transmite, Dorian tranca-o num quarto desocupado, onde ninguém para além de si próprio poderá vê-lo.

The Picture of Dorian Gray é uma viagem de um homem à ascensão do seu ego e às consequências de uma existência em que os prazeres da vida são objetivo primordial. É interessante ver o quanto Basil e Lorde Henry são diferentes nas suas visões da vida e o quanto tentam puxar Dorian cada um para os seus lados. Contudo, é o modo como Henry leva a sua vida impudica que seduz o jovem a perseguir o mesmo caminho, servindo-se dos seus atributos visuais para conseguir o que quer, enganando, destruindo vidas e servindo-se das pessoas.

Todas as suas ações ao longo dos anos levaram-no a um caminho de impossível retorno. Depois de anos desfrutando das vantagens da sua juventude e beleza eterna, Dorian apercebe-se que o seu retrato é cada vez mais hediondo. Começa a amaldiçoar a sua condição e a desejar ter tido uma vida mais pura. Contudo, por mais que tente remediar todos os pecados cometidos durante os anos, o retrato continua hediondo, mostrando-lhe a verdadeira natureza do seu caráter.

É um romance sobre o decadentismo, sobre a vaidade humana e a busca pela autossatisfação em detrimento dos valores morais. É a viagem de um homem pelo mundo real, abandonando a sua inocência e se tornando tão ou mais podre que a maioria do mundo. É uma história da redenção tardia de um jovem que levou uma vida de manipulação e desrespeito pelo próximo. É uma crítica à sociedade inglesa da época e à burguesia, que muito tentava esconder a sua personalidade podre atrás de morais positivas e sorrisos belos.

Toda a história é um misto de experiências em que o bem e o mal são sempre discutidos. Mais uma vez tenho de comparar Basil e Henry como duas das mais importantes personagens do enredo, tendo em conta o seu fascínio pelo jovem Dorian. É este trio que faz a história movimentar-se e sem o qual Dorian não seguiria a sua motivação para levar a vida libertina que tanto o seduziu. Com uma história intrigante e personagens brilhantes, aliando à escrita bela de Oscar Wilde, The Picture of Dorian Gray é uma obra prima da literatura e uma leitura altamente recomendável a toda a gente.

Nota final: 9.5/10

Sobre o livro:

Autor: Oscar Wilde

Ano original de lançamento: 1890

Mais Artigos
Diana Chaves e João Baião Casa Feliz
‘Casa Feliz’ cai para terceiro em dia de subida de ‘Praça da Alegria’