A Meloa de Santa Maria, proveniente da ilha açoriana com o mesmo nome, integra desde a passada sexta-feira uma lista com cerca de 1200 produtos regionais protegidos pela Europa. A Comissão Europeia concedeu-lhe a Indicação Geográfica Protegida (IGP), e a próxima produção já pode utilizar o selo europeu.

Recebem a IGP os produtos gastronómicos ou agrícolas típicos das mais diferentes regiões da Europa, que se destacam dos seus pares não só pela suas qualidades nutritivas, mas também pelo modo como são produzidos.

Pertencente à espécie Cucumis melo L, a Meloa de Santa Maria destaca-se das outras meloas por ter mais vitamina C que estas, pela sua riqueza mineral e porque, contrariamente às restantes tem um polpa de cor alaranjada.

Segundo o secretário regional da Agricultura e do Ambiente, Luís Neto Viveiros, em comunicado oficial, estas características únicas “resultam das condições naturais envolventes da ilha de Santa Maria, nomeadamente o solo e o clima, bem como do modo de produção e condução adotado pelos produtores locais”.
O secretário regional frisa ainda que “a classificação da Meloa de Santa Maria como produto de Identificação Geográfica Protegida (IGP), que já tinha sido publicada em Jornal Oficial a 3 de Setembro de 2013 e é agora reconhecida por Bruxelas, é a sétima certificação desta natureza a ser obtida para produtos agroalimentares dos Açores”.
A Meloa de Santa Maria junta-se assim à carne dos Açores, ao Queijo de São Jorge, ao Ananás e Maracujá de São Miguel, ao Mel dos Açores, e ao Queijo do Pico enquanto produto de Denominação de Origem Protegida (DOP).