house-of-cards-2

House of Cards. 13 lições de Frank Underwood

Nem sempre as séries nos ensinam alguma coisa de útil. Na maior parte das vezes estamos perante o ecrã a ver um enredo entusiasmante, mas que raramente nos dá lições para a vida (ou se dá resumem-se aos clichés dos filmes do mundo Disney). Contudo, o mundo da televisão – e das séries em particular – tem evoluído exponencialmente. De tal forma que, surpreendentemente, a Netflix ‘oferece-nos’ House of Cards, uma série repleta de lições – boas e más, mas sobretudo lições úteis – mergulhadas num implacável pragmatismo. 

Fica aqui com 13 lições na voz de Frank Underwood.

1 – A primeira lição vem em forma de metáfora: “todos os gatinhos eventualmente transformam-se em gatos” com garras que atraiçoam até os donos. Se és uma pessoa ambiciosa que quer estar no topo da cadeia alimentar, Frank Underwood só tem um conselho para ti: caça… caso contrário, vais ser caçado.

2 – Não estás a conseguir implementar os teus planos devido a um conflito com forças superiores? Pois bem, Frank Underwood diz-te para virares o jogo de ‘pernas para o ar’ para que a sorte esteja do teu lado. E, de preferência, faz com que não sejas o responsável por essa mudança, até porque não vais querer ficar com as culpas. “Foi sem intenção…”

house-of-cards-2015-tv-series-

3 – Quanto mais alto sobes, maior será a queda. E mais traiçoeiro será o caminho, acrescenta Frank Underwood. Se não queres correr riscos, então faz com que não dês os passos errados. Cada decisão pode tornar-se numa mina a qualquer momento.

4 – Quando estás a lidar com pessoas, principalmente depois de um grande esforço a tentares convencê-las, só o coração as pode influenciar. Nada como o apelo ao músculo humano do tamanho de um punho para fazer com que os mais duros raciocínios se tornem em maleáveis e manipuláveis emoções. Que o sangue esteja convosco.

5 – Confiar em alguém é demasiado ‘século passado’. Como Frank Underwood aprendeu na vida: “em diplomacia, cumprimenta com a mão direita mas esconde uma pedra na mão esquerda”. Não podia ser mais claro.

6 – Estás obcecado pelo teu passado? Deixa-o realmente para trás, caso contrário ele dominará o teu futuro. Frank Underwood é aquele tipo que irrompe pelo presente para construir o futuro, ao invés de tentar mudar o que já passou à história.

House_of_Cards

7 – No campo de batalha não há guerras perdidas. Para Underwood – um impiedoso combatente – as disputas perdidas são oportunidades para sair por cima. Perdeste? Joga para ganhares, é o conselho de Frank.

8 – As rivalidades nunca são más. Pelo contrário, são o catalisador de mudanças pragmaticamente positivas. O confronto entre os dois rivais só pode resultar em duas maneiras: ou estes assumem as melhores versões deles próprios ou então um deles é eliminado. Tudo pelo pragmatismo.

9 – O poder vive num cume difícil de atingir, qual cadeia montanhosa perigosa. Para além disso, o caminho até lá está pavimentado de hipocrisia e baixas (ou percalços) inevitáveis. Arrependimento? Nunca.

10 – Sabes o que é melhor do que convencer alguém a agir como nós queremos? Falhar em convencê-los de propósito. Para Frank Underwood este modo de persuasão é como um sinal que diga “não entres”: vais entrar inevitavelmente. O ser humano alimenta-se do desconhecido.

11 – Frank Underwood não vê a utilidade de dormir. Nem a necessidade. Pelo contrário, só vê pontos negativos. “Dormir põe os homens mais poderosos de costas”, previne. Tal como a morte.

A_‘House_of_Cards’_actor-2b5120d445d8363f9e2016792b9536c5

12 – És a luz ao fim do túnel na visão de alguém? Remete-o à escuridão e “encaminha-o gentilmente na direção das rochas”. A queda vai doer, mas não é a ti. Certifica-te que ficas no cimo da falésia.

13 – Para Frank Underwood há dois tipos de dor: a dor que nos fortalece ou a dor inútil que só nos traz sofrimento. “Não tenho paciência para inutilidades”, revela. Atesta-te de um implacável pragmatismo para que em momentos de dor sejas capaz de atuar: é desagradável, mas necessário. Aí está. Não há mais dor.

House-of-Cards

Que este 13 não seja o teu número do azar. Para Frank Underwood tem sido o da sorte.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
João Manzarra em A Máscara
Opinião. Quando cai ‘a máscara’