Mário Jacques morreu hoje em Lisboa, após ter sido submetido a uma cirurgia ao coração, anunciou a atriz Manuela Maria Cortez. A atriz descreveu Mário Jacques como um “bom ator e um bom colega”. Os dois atores contracenaram juntos no Teatro Maria Matos, nos anos 70.

O ator nasceu no Porto, em 1939. Em 1960 estreia-se no Teatro Experimental do Porto. Mário Jacques obtém formação em escolas dramáticas em Moscovo, Paris e Estrasburgo. Em Portugal, trabalha na Companhia Rey Colaço – Robles Monteiro, no Teatro Nacional D. Maria II. Nos anos 70 funda o grupo de teatro independente os Bonecreiros. O ator passa também pelo Teatro Hoje e pelo Teatro da Malaposta.

Em 1990, a Câmara Municipal de Lisboa premeia o ator com a Interpretação Masculina Palmira Bastos/António Silva, pelo seu papel em Quem Tem Medo de Virgínia Woolf, de Edward Albee.

Ao longo da sua carreira também colaborou em produções cinematográficas com António de Macedo, António Cunha Teles, Paulo Rocha, João Botelho e João Mário Grilo. Em televisão, participou em produções como  Uma Cidade Como a Nossa, A Mala de CartãoUma Casa em Fanicos, Querido Professor ou Liberdade 21.

Também foi autor do livro Os Actores na Toponímia de Lisboa e fez várias traduções sobre a História do Teatro.